Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

PEDREIRO BÊBADO NO VELÓRIO

 em Noticias

Lá na minha terra todo mundo conhece o Morto.

Parece que foi ontem. Eu estava no cartório, batendo com força na Dona Olivetti, quando vi passar correndo, aos prantos, uma sobrinha do Morto.

Curioso, fui assuntar com o pessoal do Hotel Becker, onde a menina trabalhava, para saber a razão do choro. Então contaram da morte do Morto. Tinham acabado de telefonar para o hotel, naquela época um dos poucos locais com telefone no lugar, dando conta do sucedido.

– Atropelado!… Disseram tristemente.

Não era de estranhar que fosse atropelado, mesmo. O Morto – ninguém mais lembra o nome dele, e nem sei se o próprio poderia lembrar – bebia muito, do amanhecer até o amanhecer, entre uma e outra pausa para um ronco, que ninguém é de ferro. Era quase incompreensível que nunca caísse da bicicleta, embora ziguezagueasse muito.

– A bicicleta virou um bodoque!… Disseram dramaticamente.

Tinha sido na Linha Brasil, lá perto do Bailão do Schwantz, na curva depois da ponte. Um caminhão vinha ligeiro, na estradinha poeirenta, e o Morto vinha na contramão, ziguezagueando de bicicleta.

– Não sobrou nada!… Disseram macabramente.

Os parentes lá do cerro tinham vindo para o velório. Já era madrugada e nada do corpo chegar. Para espantar o sono, iam bebendo cachaça, enquanto o corpo não chegava.

O corpo só chegou de madrugada, ziguezagueando de bicicleta.

Descobriu-se então. Ele próprio tinha telefonado narrando o atropelamento, com voz disfarçada. Depois, curado do porre, voltou ziguezagueando para casa, onde todos esperavam o corpo, ou o bodoque. E daí que só não morreu de verdade, mesmo, porque depois de muito apanhar dos parentes e até da mulher, a polícia evitou o linchamento, desfez o velório e mandou todo mundo embora.

Lembrei do episódio quando li, na Zero Hora de quinta-feira (também pode ser lido aqui), que em Santo Antônio da Platina, no Paraná, aconteceu algo parecido, com o pedreiro Ademir Jorge Gonçalves, dado como morto depois de passar a noite bebendo em um bar, e estava para ser enterrado na segunda-feira, justo no dia de finados, depois que o corpo foi reconhecido por uma tia e quatro amigos. Como eu sempre digo: com amigos assim, para que inimigos?

O cadáver era de outro, atropelado na noite anterior. Avisado, Ademir foi ao cemitério e desfez a confusão, mas ficou no prejuízo, porque o dono do apartamento onde vivia, que era um dos amigos que reconheceu (sic) o cadáver, queimou todas as suas roupas e o colchão onde dormia.

Prejuízo também para a funerária, em tempos de vacas magras, nos dois casos. Para o cartório não, que o registro de óbito é gratuito, mesmo. E além do que, não haveria o tabelionato de aplicar a Lei nº. 11.441/07 e fazer o inventário por escritura pública somente de uma bicicleta velha, ou das cinzas de um colchão usado.

De resto, vida longa aos falecidos.

&nbsnbsp;

Últimos posts
Showing 0 comments
  • J. Hildor
    Responder

    Acabei de receber o e-mail copiado abaixo, da colega Patrícia Seckler, tabeliã e registradora de Dona Francisca (RS). Não resisti em colar aqui a mensagem da Patrícia, porque além de ser pertinente, trouxe boas notícias do “Morto” – que segue vivo, felizmente, e o que é melhor, andando de bicicleta.
    Espero que a Patrícia, cumprindo o prometido, consiga mais informações acerca do vivente, que como se vê, vai vivendo.
    Segue o texto recebido:
    “Bom dia Hildor,
    Hoje pela manhã, ao vir p/ D. Francisca, encontrei o teu personagem “Morto”, e achei q. gostarias de saber notícias do vivente:
    Ele agora possui uma bicicleta motorizada, com direito inclusive a capacete de ciclista, e estava “dirigindo” lá pelas bandas de Paraíso do Sul (no asfalto), segundo o Robertinho ele faz o trajeto Cerro BrancoXSanta Maria, de bicicleta, achei quase q. impossível, mas a algum tempo encontrei-o no mercado em Cerro Banco e ele contou q. havia sido assaltado em Sta. Maria. Agora estou curiosa e vou averiguar se o “Morto” agora apelou para aventuras radicais.
    Desculpe se te fiz perder tempo com bobagens, mas não resisti. Vim o restante do caminho rindo.
    Ei como estão os preparativos p/ o encontro notarial?”

  • J. Hildor
    Responder

    Não posso deixar de registrar aqui que hoje vi o Morto, ao vivo, mais vivo do que morto, embora tão magro, tão magro, que de perfil quase desaperece.
    Estava andando de bicicleta, ziguezagueando, só que agora totalmente sóbrio. Não era a bicicleta motorizada do relato da Patrícia. Também estava sem capacete.
    E só não está morto de verdade porque largou o trago, há anos.
    Mas preocupei-me com a magreza. Será o cigarro?

  • J. Hildor
    Responder

    Pois parece que não para de aparecer morto no próprio velório. Pelo jeito virou moda. Foi notícia hoje, no “Terra”. Ver link abaixo.
    http://noticias.terra.com.br/brasil/cidades/homem-aparece-vivo-no-proprio-velorio-e-surpreende-familia,31eb8e150d6a4410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar