Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

YES, WE CAN REGISTER!

 em Notarial

Artigo publicado na revista Veja nesta última semana de maio atacou o sistema notarial e registral, referindo-se a burocracia desnecessária. O articulista afirma que em "seu país", os EUA, não existem cartórios e que por aqui eles são "centros da burocracia legal, guardiães do formalismo".

Ledo ivíssimo engano do articulista. Certo que o modelo tupiniquim não foi adotado pelo Tio Sam, mas a verdade é que os americanos confiam muito em notários, detentores de fé pública, tanto que por lá existem milhares deles, embora de compleição distinta da do notário do sistema latino, caso dos que labutam no Brasil e em mais 100 países. Na Wikipedia há interessante referência ao "notary public":

"With the exceptions of Louisiana, Puerto Rico, Quebec, whose private law is based on civil law, and British Columbia, whose notarial tradition stems from scrivener notary practice, a notary public in the rest of the United States and most of Canada has powers that are far more limited than those of civil-law or other common-law notaries, both of whom are qualified lawyers admitted to the bar: such notaries may be referred to as notaries-at-law or lawyer notaries. Therefore, at common law, notarial service is distinct from the practice of law, and giving legal advice and preparing legal instruments is forbidden to lay notaries such as those appointed throughout most of the United States of America." (1)

Segundo Sérgio Jacomino, os “notários” norte-americanos se apresentam como perfeitamente qualificados para oferecer assessoria jurídica em matéria de imigração ou acerca de outras questões de direito. "Mas, segundo os advogados, esses profissionais não têm a propalada qualificação jurídica e “rotineiramente acabam por vitimar membros das comunidades de imigração”. (2)

Como Presidente do Colégio Notarial do Brasil – Seccional do Estado de Sergipe, sugeri ao Conselho Federal do CNB que conclamasse as demais entidades de classe a publicarem resposta na revista ou a iniciarem uma ação de indenização por danos morais, com ulterior publicação de direito de resposta. Entendi que somente enviar carta para a redação seria pouco demais.

Em meados de maio deste ano, quando da apreciação da PEC 471 no Plenário da Câmara Federal, três parlamentares discursaram propondo a extinção das serventias extrajudiciais. Há muita ignorância acerca da importância do microssistema previsto no art. 236 da Constituição Federal, que dispõe sobre o sistema notarial e de registros públicos, exercido em caráter privado, com outorga concedida mediante concurso público de provas e títulos.

O "americano" que escreveu o artigo da parcial revista Veja só esqueceu de dizer que a crise financeira que atacou o planeta, entre 2008 e 2009, e iniciada nos EUA, teve como uma de suas causas maiores a inexistência de registro de imóveis na terra dos atiradores.
 

"Venda" do Empire State Building
 

Reportagem incrível publicada no Daily News, em 2008, corrobora a tibiez do sistema ianque, conforme nos demonstrou, em 05.12.2008, Sérgio Jacomino, no Observatório do Registro (3):

"Segundo o jornal, os responsáveis por este grande golpe só tiveram que preencher papéis falsos e, em menos de 90 minutos, eram o novo proprietário do edifício escalado por King Kong em 1933 [Empire State Building], por US$ 2 bilhões.

Para dar impressão de realidade à fraude, o "New York Daily News" fingiu ser uma empresa chamada Nelots Properties – nelots é stolen (roubado) ao contrário.

Além disso, na documentação colocou como testemunha da transação o nome de Fay Wray, a atriz que interpretou Ann Darrow, a loira que seduziu King Kong, e como notário o ilustre ladrão de bancos Willie Sutton.

O "golpe" foi dado na segunda-feira passada e, segundo os promotores, buscava demonstrar o perigo de uma brecha legal que existe na regra local pela qual não se requer a intervenção de um funcionário para verificar a informação fornecida neste tipo de transações."
 

Delegação chinesa visita o Primeiro Ofício de Registro de Imóveis de São Paulo

 
A revista Veja também desconhece o interesse alienígena em nosso sistema registral. Certo que talvez nenhum jornalista alheio às associações notariais e registrais compulsaram o Boletim nº 2772, do Irib (4), que divulgou o motivo da vinda de delegação chinesa ao Brasil para conhecer o sistema de registro imobiliário. Mas o evento foi divulgado pela Folha de S. Paulo, em meados de 2006 (5). Assim noticiou o boletim:

"Considerado modelo de segurança jurídica na América Latina, Europa e países asiáticos, e depois de ter sido indicado pelo Banco Mundial como referência para a remodelação dos sistemas registrais do Leste Europeu, o sistema brasileiro de registro de imóveis é um exemplo a ser seguido também na China.
 
Na segunda-feira, dia 18 de dezembro, uma delegação de Xangai visitou o Primeiro Ofício de Registro de Imóveis de São Paulo, para conhecer de perto o funcionamento do nosso sistema de registro imobiliário.  Os visitantes chineses foram recebidos pelo presidente da Arisp, Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo, Flauzilino Araújo dos Santos, pelos diretores do Irib, Instituto de Registro Imobiliário do Brasil, Sérgio Jacomino, Patricia Ferraz, George Takeda e Márcio Martinelli, além dos funcionários do Primeiro Registro de Imóveis, Maria do Carmo Medeiros de Souza, Luís Antonio Medeiros de Souza, Adriano Damásio e Maria Cristina."

"Porta-voz da delegação, o vice-vereador de Xangai, Tian Wei Hua,  expressou seu agradecimento pela recepção em São Paulo e afirmou que "o sistema de registro de imóveis, efetuado mediante serviços privatizados extrajudiciais, tal como no Brasil, é de grande valia para o governo, auxiliando na resolução de problemas e impasses". O vice-vereador parabenizou os registradores pela bela carreira, que exige muito estudo, preparo e concurso público, para chegar à investidura do cargo na delegação. "O trabalho de vocês é reconhecidamente importante para o governo e para o povo brasileiro em geral", concluiu.

O presidente da Arisp pôs à disposição da delegação chinesa a tecnologia e a experiência brasileiras em registro, e propôs eventual parceria científica entre os dois países. "Estamos honrados em recebê-los aqui no Brasil e gostaria de reafirmar que estamos disponíveis para qualquer tipo de intercâmbio de cooperação técnica com o governo chinês, no sentido de organizar a implantação do sistema de registro de imóveis em Xangai", ratificou."
 

Debate
 

Em conversa hoje no Whatsapp, cujo tema foi a heresia proferida pelo articulista da revista Veja, um amigo registrador deste pequeno mas pujante Estado de Sergipe, Sérgio Abi Saber Rodrigues Pedrosa, vaticinou:

"Na verdade nos EUA existe o Registro de Imóveis em outra configuração. Na maior parte dos Estados o Registro de Imóveis funciona como o nosso Registro de Títulos e Documentos. Em alguns até existe o Registro Torrens. A diferença básica é que como registro de documentos e não registro de direitos, geralmente é necessária a contratação de seguro anexo."

Outro amigo, tabelião e registrador, Marcos Garcez Vieira, reclamou, com propriedade:

"E a pior burocracia está exatamente nos órgãos públicos: somente para um construtor iniciar uma obra a demora é de menos um ano."

O primeiro concluiu:

"A origem do nosso RI também não é portuguesa. São mal informados, ou mal intencionados mesmo. Outro aspecto que estourou a bolha foi a aceitação de registros privados a cargo das instituições financeiras. As cessões de credito eram feitas eletronicamente sem lastro jurídico-formal. Alavancaram muito o credito mas a garantia ficou podre porque o credor não tinha lastro jurídico para executar as hipotecas. É o que a Cetip em certa medida propõe aqui no Brasil."

O segundo completou:

"E são exatamente os cartórios a saída para a desjudicializacao da abarrotada justiça brasileira com quase 100 milhões de processos em andamento."

Enfim, imperioso que o Colégio Notarial do Brasil, por seu Conselho Federal, conduza resposta firme contra essas aleivosias, sempre que a mídia teimar em publicá-las.

————–
(1) WIKIPEDIA. Notary Public. Disponível em: http://en.wikipedia.org/wiki/Notary_public. Acessado em 25.05.2014
(2) JACOMINIO, Sérgio. audes notariais (nos EEUU). Observatório do Registro, 27.12.2009. Disponível em: http://cartorios.org/2009/12/27/fraudes-notariais-nos-eeuu/ Acesso em 25.05.2014.
(3) JACOMINO, Sérgio. Tio Sam e a Fé Pública. Observatório do Registro, 05.12.2008. Disponível em: http://cartorios.org/2008/12/05/tio-sam-e-a-fe-publica/ . Acesso em 25.05.2014.
(4) IRIB. Boletim do Irib nº 2772. Disponível em: http://www.irib.org.br/html/boletim/boletim-detalhe.php?be=1048 . Acesso em 25.05.2014.
(5) FOLHA DE S. PAULO. Delegação chinesa vem a SP conhecer sistema de registro de imóveis. Seção Mercado, 16.12.2006. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u113183.shtml . Acesso em 25.05.2014.

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Genivaldo
    Responder

    Muito próspera a preocupação do presidente secção SE (Lafaiete Luiz). O exercício dos Notários/Registradores por muitos da imprensa não tem tido o respeito e o reconhecimento que o Congresso Nacional tem tido, por exemplo, em 2007 com a publicação da lei 11.441 foi confiado aos Tabeliães do nosso país uma gama de serviços (divórcio, inventários, partilha, etc) que, sem sombra de dúvida desafogou consideravelmente as Vara de Família e Sucessões em todas as comarcas. Lembro-me bem q no início da vigência dessa lei, alguns Juízes chegara a extinguir processos de divórcio sem julgamento do mérito, encaminhando as partes às Serventias extrajudiciais, inclusive por ser mais célere o requerido pelas partes. Então, a sociedade tem o direito de saber o grau de responsabilidade que é confiado a essa classe, q exerce seu mister com amparo constitucional (art. 236 da CF/88) e interpelar judicialmente a revista veja, como sugere o Presidente em seu excelente artigo, qe demonstra real preocupação com o presente e o futura da atividade no Brasil.

  • Marcos Garcez Vieira
    Responder

    Parabéns Lafaiete. Obrigado pela citação do meu nome. Nossos debates são ótimos e muito produtivos. Prestamos um serviço público de alta qualidade que precisa ser respeitado por todos. Abração.

  • Djalma |Pizarro
    Responder

    Parabéns, Lafaiete, uma resposta técnica e de profundidade jurídica contra esses articuladores de opinião, que sequer se preocupam em verificar todos os lados da questão. Se estivéssemos na Grécia Antiga, mais ou menos no séc. V a.c., esse tal noticiador seria classificado tranquilamente como “sofista” , no sentido mais depreciativo do termo.

  • J. Hildor
    Responder

    O colega Lafaiete Luiz tem nos brindado com um texto de alta qualidade. É sempre uma alegria ler o que escreve, clom erudição e conhecimento. Eis aí um profissional de alto gabarito.

  • Lafaiete Luiz
    Responder

    Bondade dos amigos Marcos Garcez e Genivaldo, registradores sergipanos! Defender o sistema notarial e registral é tarefa de cada um de nós. Abs.

  • Lafaiete Luiz
    Responder

    Caro Djalma Pizarro, Tabelião mineiro que honra a fé pública, de fato, como Protágoras, estes senhores que escrevem tresloucadas linhas devem aceitar verdinhas como pagamento, vez em sempre.

  • Lafaiete Luiz
    Responder

    Amigo J. Hildor, sei que suas honrosas palavras só aumentam – e muito – minha obrigação de continuar lendo os mestres, entre os quais o incluo!

  • Leonardo Pedroso
    Responder

    Prezado Lafayete,
    Sensacional sua resposta. Absolutamente técnica e muitíssimo bem fundamentada. Da mesma forma a sugestão do aviamento de ação com pretensão indenizatória.
    Tem meu total apoio.
    Att.
    Leonardo.

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar