Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

RENÚNCIA DE HERANÇA POR MANDATÁRIO

 em Notarial

É possível a renúncia de herança por mandatário?

Sim, se o mandato for instrumentalizado pela forma pública, por tabelião de notas.

Não, se a procuração for particular, ainda que traga a firma do mandante reconhecida por autenticidade.

Embora comum, na praxe advocatícia, a utilização de procuração particular para fins de inventário, concedendo poderes ao profissional inclusive para renunciar à herança, a forma não se presta para tal fim, conforme já decidiu o STJ (REsp 1236671).

A renúncia somente pode ser feita por escritura pública, hipótese em que o mandatário necessariamente terá que ter sido constituído pela mesma forma, ou por termo nos autos do inventário, para o que se exige igualmente a procuração pública.

Então, sendo constituído por instrumento público, é possível a renúncia de herança por mandatário?

Sim, se o mandato tiver sido outorgado especificamente para fins de renúncia, sem conter outros poderes em seu bojo.

Não, quando a procuração concede poderes para a renúncia e ao mesmo tempo para representar o outorgante no inventário, ou fazer cessão dos direitos, o que significa aceitação, não mais comportando renúncia.

A procuração para fins de renúncia de herança necessita ser específica para o ato, exclusivamente para o ato, pena de ser desnaturada em sua origem.

Então, finalmente, é possível a renúncia de herança por mandatário, desde que constituído por instrumento público, com poderes específicos e expressos para o fim?

Sim, se a procuração tiver sido outorgada depois do falecimento do autor da herança, uma vez que pelo princípio da saisine a herança somente se transmite aos herdeiros no exato momento da morte, nunca antes.

Não, se a outorga da procuração tiver precedido a morte do autor da herança, porque a lei veda a chamada pacta corvina.

E se a lei proíbe a renúncia da herança de pessoa viva, por certo restam sem eficácia os atos precedentes à renúncia, como procuração, até porque depois da morte do autor da herança o renunciante terá que estar vivo, e para o que se exigirá a comprovação de vida, quer pela aceitação, quer mesmo pela renúncia, pessoal ou por procurador constituído após a morte que desencadeou a sucessão, pena de não valer.

O art. 426 do Código Civil brasileiro é taxativo: “Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa viva”. E a procuração é o instrumento do contrato de mandato.

Por isso, é no mínimo temerário que o tabelião dê curso em suas notas a mandato público que objetive a renúncia de herança de pessoa viva, porque se o fim é ilegal, por não haver herança de pessoa viva, o meio restará viciado, e inócuo, portanto.

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Paulo Ferreira
    Responder

    Grande Hildor, tens de escrever teu livro. Belo artigo, claríssimo, didático. Uma pena que discordemos quanto à conclusão da pacta corvina. Pense sob o aspecto do contrato sujeito à álea: a cláusula só adquire eficácia com a morte do autor da herança. É válida, mas justamente por só poder se operar com a morte, sua eficácia é condicionada e suspensa. Se você tirar o último parágrafo, ou modificá-lo, vai tirar a munição de corregedores que buscarão punir tabeliães somente por pensarem diferente da tua lição.

  • Samuel Luiz Araújo
    Responder

    Parabéns, J. Hildor!
    Acompanho o seu pensamento.
    Acho que o negócio (jurídico – procuração) é inválido desde o seu nascimento.
    Abraço

  • JOSÉ ANTONIO ORTEGA RUIZ
    Responder

    Bom, não sei “onde está escrito”, mas me falaram… quando eu era aluno pequeno lá em Sumaré-PR, que “desobedecer o professor”, era falta de Educação (hehehe). Então por isso, e só por isso, vou com o PROFESSOR DR. HILDOR. Perfeito. Sucinto. De grande entendimento. Sem reparos. Do amigo, admirador, “aluno” e sempre ao dispor, aqui na terra da “chuva Bonita” – Amaporã-PR, José Antonio. Abraços, e faço coro com o Dr. Paulo. VAMOS AO LIVRO.

  • J. Hildor
    Responder

    Paulo, obrigado. Contigo são dois os leitores para o livro. O outro sou eu mesmo.
    Sobre discordarmos da conclusão, é salutar. O tema é polêmico, e necessita que mais luzes sejam lançadas sobre ele, a exemplo do que manifestas.
    Acho que a doutrina não trata do assunto, e não encontrei nenhuma decisão dos tribunais.
    Vamos então dar esse pontapé inicial, buscando o melhor debate.

  • J. Hildor
    Responder

    Samuel, conforta-me a tua companhia na compreensão da matéria, com o que não estarei só na caminhada, e o que é melhor, muito bem acompanhado.

  • J. Hildor
    Responder

    José Antônio, quando respondi ao Paulo não tinha lido o teu comentário. Então já somos três leitores. E convenhamos que o número é expressivo.

  • lenira santos
    Responder

    Eu serei a 4ª leitora, com certeza.
    Embora seja uma admiradora do pensamento vanguardista do Paulo Roberto, no caso em questão, acompanho o raciocínio do J. Hildor. Já li que alguns países adotam a sucessão contratual ou pacta corvina ou pacto sucessório, mas nós temos a proibição legal…Penso que a eficácia condicional e suspensiva sugerida pelo Paulo Robert esbarra no teor do artigo 426 do CCB.

    Mas nosso ordenamento legal prevê que a herança de pessoa viva não pode ser objeto de contrato, e sendo assim sua eficácia é condicionada e suspensa

  • lenira santos
    Responder

    Hildor, desconsidere este último parágrafo ( incompleto e sem lógica): Mas nosso ordenamento legal prevê que a herança de pessoa viva não pode ser objeto de contrato, e sendo assim sua eficácia é condicionada e suspensa, pois ele parar aí por descuido… abraço

  • J. Hildor
    Responder

    Com a manifestação paulista do Paulo Roberto; mineira, do Samuel, e paranaense, do José Antônio, eu já estava satisfeito, mas agora, com o apoio gaúcho da Lenira, a ideia do livro ganha o reforço do sexo frágil, com o que fica muito mais forte.
    Se continuar assim, um dia o livro pode sair. E a culpa será deles, é claro.

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar