Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

O bem de família

 em Notarial

O BEM DE FAMÍLIA

Rafael Ricardo Gruber[1]

No sistema processual de execução brasileiro, em regra, as pessoas respondem por suas obrigações com todos os seus bens, presentes e futuros (art. 591, CPC). Contudo, a responsabilidade patrimonial é mitigada por princípios e normas que asseguram bens e patrimônio mínimo às pessoas. Dentre tais regras, o bem de família – legal e convencional – se destaca. O surgimento do instituto, segundo abalizada doutrina, foi no estado do Texas-EUA, no ano de 1843, no chamado Homestead Exception Act.

O bem de família pode ser conceituado como o bem ou conjunto de bens que a lei ou a vontade das partes confere especial proteção, não permitindo que se sujeitem à penhora e à expropriação para o pagamento de dívidas, salvo as exceções legais. Sua natureza jurídica é de impenhorabilidade no bem de família decorrente de lei, e de indisponibilidade – que é mais abrangente – no bem de família convencional, como distinguir-se-á adiante.

O fundamento para a proteção do bem de família, antes de sua previsão legal, ampara-se em princípios, em especial no da dignidade da pessoa humana. Luis Edson Fachin analisa a garantia do patrimônio mínimo existencial como direito fundamental das pessoas. Diz que o Estado não é obrigado a dar o bem, mas é obrigado a preservá-lo contra a execução forçada.

Além do fundamento em princípios – que de acordo com Luis Roberto Barroso desfrutam de status de norma jurídica -, o bem de família encontra proteção em diversos dispositivos legais. A lei 8.009/90 protege o imóvel de residência e os móveis que o guarnecem. Os artigos 1.711 e seguintes do Código Civil e o Decreto-lei 3.200/41 trazem normas aplicáveis à constituição do bem de família convencional. Os artigos 260 e seguintes da lei 6.015/73 regulam o procedimento no Registro de Imóveis para a inscrição do bem de família.

Harmonizando-se com o conceito, princípios e normas materiais, o Código de Processo Civil dispõe em seu art. 648 que os bens que a lei considere impenhoráveis ou inalienáveis não se sujeitam à execução.

O conceito de bem de família para proteção legal, segundo entendimento do STJ, abrange todas as formas de entidade familiar, protegendo também pessoas sozinhas, solteiras, separadas ou viúvas.

A proteção ao bem de família no ordenamento jurídico brasileiro prevê dois sistemas, duas espécies de proteção, que apesar de visarem ao mesmo objetivo fundamental, tem arcabouço jurídico distinto: o bem de família decorrente de lei, e o bem de família constituído por escritura pública.

O primeiro – com fundamento na lei 8.009/90 prescinde de qualquer formalidade para constituição, e a proteção decorre automaticamente da lei. Esta espécie protege apenas o imóvel residencial e objetos que o guarnecem. Entende-se que se o devedor tiver dois imóveis residenciais a proteção recai sobre o de menor valor. A proteção desta espécie de bem de família é afastada no caso dos sete incisos do art. 3º da lei 8.009/90, admitindo a penhora, por exemplo, para honrar dívidas trabalhistas dos domésticos da própria residência e para honrar obrigação decorrente de fiança concedida em contrato de locação.

A segunda espécie – o bem de família voluntário – se fundamenta no art. 1.711 do Código Civil, Decreto-lei 3.200/41 e na Lei de Registros Públicos. Sua constituição é feita por escritura pública levada para registro no Registro de Imóveis competente. Neste caso, além do imóvel residencial e móveis que o guarnecem, é possível que o instituidor proteja também valores mobiliários para assegurar renda mínima à família beneficiada. Deve o instituidor, contudo, observar o limite de um terço do patrimônio líquido de seu patrimônio como limite dos bens a serem submetidos ao regramento protetivo. O título para instituição é a escritura pública ou o testamento.

Esta espécie de bem de família – voluntário – é uma exceção a duas regras de direito: que todo o patrimônio do devedor responde por suas dívidas, e que ninguém pode tornar impenhoráveis os próprios bens. Para Caio Mario, a natureza desta espécie de bem de família é a afetação de bens para um destino especial, que é garantir a moradia da família.

No Registro de Imóveis, após a qualificação do título, providencia-se a publicação da escritura em forma de edital. Se em 30 dias ninguém se opuser, o Oficial faz o registro do título no Livro 3 e também no Livro 2, na respectiva matrícula do imóvel. Se houver impugnação, a prenotação é cancelada, e o registro só se realizará por ordem do juiz (art. 264§1º da lei 6.015/73).

O bem sujeito à primeira espécie de proteção – da lei 8.009/90 – é tão somente impenhorável, e assim pode ser alienado. Já o bem de família constituído por registro no Registro de Imóveis, além de impenhorável, é também inalienável. Assim, somente esta espécie é que torna o bem indisponível.

As exceções à proteção no bem de família voluntário são apenas duas, conforme art. 1.715 do CC: as dívidas tributárias (sobre o próprio imóvel) e as despesas de condomínio. Portanto, a proteção desta espécie é mais abrangente que da outra.

Na jurisprudência tem-se verificado outra distinção: para a constituição do bem de família voluntário o Conselho Superior da Magistratura de São Paulo tem exigido que a família efetivamente habite o imóvel objeto da instituição pelo prazo mínimo estipulado no DL 3.200/41, qual seja, dois anos. Já quanto ao bem de família da lei 8.009/90 o STJ reconhece a proteção mesmo nos casos em que o imóvel esteja locado a terceiros, desde que seja o único da família e que sua renda seja utilizada para subsistência dos proprietários – locadores.

O documento constitutivo do bem de família voluntário – salvo se instituído por testamento – é necessariamente a escritura pública, não se aplicando a regra do art. 108 do Código Civil. Na escritura de constituição de bem de família, segundo Ademar Fioranelli, devem ser observados os seguintes requisitos, além dos comuns: declaração de que o instituidor possui outros bens e que o bem afetado como bem de família não excede 1/3 do patrimônio líquido; e declaração de que a família habita no imóvel há pelo menos dois anos.

O bem de família da lei 8.009/90, assim como não se constitui formalmente, não se extingue formalmente. Sua proteção é reconhecida no processo de execução, impedindo a penhora. Já o bem de família instituído no Registro de Imóveis fica também sujeito a averbação de cancelamento quando se extinguir o regime protetivo. A extinção pode se dar por pedido ao juiz (art. 1.719 CC e art. 1.721 parágrafo único do CC) e pela morte de ambos os cônjuges e maioridade dos filhos, salvo se algum sujeito a curatela. No primeiro caso o título no Registro de Imóveis é mandado judicial. No segundo, é requerimento pelo interessado, com prova da morte do casal e da maioridade sem interdição dos filhos, mediante certidões do registro civil.

Compete ao tabelião de notas, como profissional do direito no exercício de sua função pública, orientar e assessorar os usuários na formalização do instrumento da instituição do bem de família voluntário, com a devida segurança jurídica dinâmica. E ao Oficial de Registro de Imóveis compete a publicidade, após a qualificação jurídica do título, assegurando a segurança jurídica estática pela legitimação registral.

Conclui-se que ambas as espécies de bem de família visam à proteção do patrimônio mínimo às pessoas e famílias, harmonizando-se com o princípio da função social da propriedade e afinando-se com o fundamento da dignidade da pessoa humana.



[1] O autor é Tabelião Titular do 2º Tabelião de Notas e Protesto de Botucatu-SP. Pós-graduado em Direito Notarial e Registral e em Direito Civil.  Contato: rrgruber@gmail.com 

Últimos posts

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar