Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Novo Tabelião/Registrador – Novo CNPJ?

 em Notarial

 

Com a eclosão dos concursos públicos para outorga das serventias extrajudiciais (cartórios), temos acompanhado em todo o Brasil diversos casos no tocante a possibilidade, ou não, de nova inscrição de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídicas – CNPJ.

Nosso posicionamento acerca da matéria é bastante legalista, de modo que, nos termos da lei, a atividade notarial e registral é exercida em caráter privado, por delegação do Poder Público. Não poderia ser diferente, considerando que estes são os termos do artigo 236 da Constituição, in verbis:

Art. 236. Os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado, por delegação do Poder Público.

§ 1º – Lei regulará as atividades, disciplinará a responsabilidade civil e criminal dos notários, dos oficiais de registro e de seus prepostos, e definirá a fiscalização de seus atos pelo Poder Judiciário.

§ 2º – Lei federal estabelecerá normas gerais para fixação de emolumentos relativos aos atos praticados pelos serviços notariais e de registro.

§ 3º – O ingresso na atividade notarial e de registro depende de concurso público de provas e títulos, não se permitindo que qualquer serventia fique vaga, sem abertura de concurso de provimento ou de remoção, por mais de seis meses. (grifos nossos)

O §1º menciona "notários" e "oficiais de registro", o que deixa claro que o exercício privado da atividade é titularizado por uma pessoa natural. Isso é reforçado no §3º, ao definir a forma de ingresso na atividade pelo concurso público, modalidade de concorrência pública típica de pessoas naturais.

A Lei Federal nº 8.935/94 veio regulamentar o §1º do artigo 236 supramencionado e reza o seguinte:

Art. 1º Serviços notariais e de registro são os de organização técnica e administrativa destinados a garantir a publicidade, autenticidade, segurança e eficácia dos atos jurídicos.

Art. 3º Notário, ou tabelião, e oficial de registro, ou registrador, são profissionais do direito, dotados de fé pública, a quem é delegado o exercício da atividade notarial e de registro.

Art. 5º Os titulares de serviços notariais e de registro são os:

I – tabeliães de notas;

II – tabeliães e oficiais de registro de contratos marítimos; (…)

IV – oficiais de registro de imóveis;

Vê-se claramente nos artigos 3º e 5º que os serviços notariais e registrais são titularizados por tabeliães e oficiais de registro, que são profissionais do direito, mais uma vez deixando claro que a atividade é exercida por uma pessoa física, todavia, depende de INSCRIÇÃO NO CNPJ.

Ademais, segundo o art. 1º, o conteúdo dos serviços notariais e registrais é de serviço público lato sensu. Oswaldo Aranha Bandeira de Mello define tal atividade como função pública, diferenciando-a do serviço público stricto sensu por seu objeto não contemplar uma prestação material, mas sim uma prestação jurídica. Em outras palavras, não se trata de atividade econômica, sendo inaplicáveis a ela conceitos como o de “estabelecimento”, próprio do Direito Empresarial (arts. 1.142 e seguintes do Código Civil).

Esse é o entendimento do Supremo Tribunal Federal, externado na Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.151, no seguinte trecho da ementa:

“II – Regime jurídico dos serviços notariais e de registro: (…) c) a sua delegação somente pode recair sobre pessoa natural, e não sobre uma empresa ou pessoa mercantil (…)” (grifo nosso)

E para não restar dúvidas, não há como enquadrar o serviço notarial e registral em nenhuma das hipóteses previstas no Código Civil, nem como pessoa jurídica de direito público (art. 41), nem como pessoa jurídica de direito privado (art. 45). Não há nenhum registro a que o oficial ou o tabelião estejam submetidos para poderem exercer suas funções (art. 45 do Código Civil).

No Brasil, a atividade notarial e registral ainda é muito mal compreendida. O Estado de São Paulo é o que está mais avançado em termos de doutrina e regularização da atividade (já realizou 8 concursos públicos desde 1999, enquanto outros Estados ainda não conseguiram concluir o primeiro. O Desembargador Luís Paulo Aliende Ribeiro conseguiu compilar de forma magistral o melhor entendimento sobre a atividade em sua tese de doutorado, fruto de seus longos anos no setor do extrajudicial na Corregedoria-Geral de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo: RIBEIRO, Luís Paulo Aliende. Regulação da função pública notarial e de registro. São Paulo: Saraiva, 2009. 188p.

Na contramão de toda a legislação pátria, a Receita Federal editou instrução normativa obrigando ao oficial de registro a se cadastrar no CNPJ (antigamente prevista no inc. IX do art. 5º da Instrução Normativa RFB n. 1.183/2011, atualmente repetida no art. 4º, IX da Instrução Normativa RFB n. 1470/2014, que vem repetindo o texto das precedentes). Isso causa uma confusão enorme, pois “se toda pessoa jurídica tem CNPJ, nem toda pessoa que tem CNPJ é jurídica.”

Se a compreensão da natureza jurídica da atividade notarial e registral já é difícil para o operador do direito, para o leigo tornou-se impossível. Assim, todo mundo passou a contratar com o “cartório” e seu CNPJ. Ora, se cartório não é pessoa jurídica, não tem legitimidade para ocupar um pólo contratual. Entretanto, por portar um CNPJ, todos passaram a contratar com o “cartório” e não mais com oficial, inclusive a contratação de empregados.

Para tentar corrigir essa distorção, a Receita Federal editou a Instrução Normativa n. 971/2009, que em seu art. 19, II, g, obriga os “cartórios” à inscrição no CEI (cadastro específico do INSS), ou seja, deixou claro que a contratação dos empregados deveria ser vinculada à pessoa física do empregador. Ademais, o notário e oficial de registro faz a declaração de imposto de renda como pessoa física, através do carnê-leão.

Atualmente, o CNPJ para o oficial de registro só tem uma função: o preenchimento da Declaração sobre Operações Imobiliárias (DOI) – art. 8º da Lei 10.426/2002 e Instrução Normativa RFB 1.112/2010, e eventuais outras obrigações acessórias perante o Conselho Nacional de Justiça.

No mais, o CNPJ só se presta a causar confusão, ao dar aparência de pessoa jurídica a alguém que é pessoa física. Isso, inclusive, causa reflexos em obrigações acessórias do ISS, pois alguns Municípios insistem em tentar enquadrar o oficial como tomador de serviço com o dever de fazer a retenção do ISS na fonte, obrigação própria das pessoas jurídicas.

Da Responsabilidade Pessoal do Titular

No tocante à responsabilidade, doutrina e jurisprudência são uníssonas no sentido de que a responsabilidade de cada oficial é compartimentada: cada um responde pelo período em que esteve na titularidade do serviço. Assim se dá tanto com relação à responsabilidade civil quanto com relação à responsabilidade fiscal. Isso implica dizer que um oficial não responde por atos de outros oficiais que o precederam. Em outras palavras, a INVESTIDURA na função é ORIGINÁRIA, tem os mesmos efeitos da usucapião.

EMENTA:APELAÇÃO CÍVEL – AÇÃO DE CANCELAMENTO DE REGISTRO PÚBLICO – DUPLICIDADE DE REGISTRO DE IMÓVEL – RESPONSABILIDADE CIVIL PESSOAL DO OFICIAL TITULAR NA ÉPOCA DO FATO DANOSO – RECURSO CONHECIDO E DESPROVIDO. 1. O cartório não oficializado não possui personalidade jurídica, conclui-se que a responsabilidade civil e criminal é exclusiva do titular da serventia pelos atos praticados durante o período de sua competência, não podendo o sucessor (atual titular da serventia) responder por ato ilícito praticado pelo sucedido (anterior titular). 2. No caso em comento, a recorrente pretende a condenação do Oficial do 2º Cartório de Registro Geral de Imóveis de Guarapari pelos danos causados em decorrência da existência de duplicidade de registros do imóvel de sua propriedade. Contudo, a duplicidade decorreu de um erro perpetrado pelo titular do cartório que o antecedeu, e quando verificada a referida irregularidade o atual titular do cartório, ora recorrido, tomou as providências cabíveis, procedendo a respectiva consulta junto ao Juízo competente e averbando as anotações de advertência ao pé de cada matrícula. 3. Não se pode admitir que titular sucessor, de forma infalível, pudesse apurar e apontar todas as irregularidades perpetradas pelo Oficial sucedido, já que se tratam de milhares de registros, sem que a época houvesse um sistema digitalizado. 4. Assim, em que pese a averbação de compra e venda do imóvel levada a efeito em 1989 pela ora recorrente tenha sido realizada sob a competência do recorrido, não pode ser imputado ao mesmo os prejuízos decorrentes da existência de duplicidade de registros, erro perpetrado pelo Oficial anterior, muito menos pela negligência na prestação dos serviços notariais. 5. Não merece reparos a sentença recorrida, porquanto não comprovada o nexo de causalidade entre a conduta do Oficial do 2º Cartório de Registro de Imóveis de Guarapari, ora recorrido, e os danos sofridos pela recorrente decorrente da existência de duplicidade de registros do imóvel de sua propriedade, a autorizar a reparação decorrente de responsabilidade civil. 3. Recurso conhecido e desprovido. CONCLUSÃO: ACORDA O(A) EGREGIO(A) SEGUNDA CÂMARA CÍVEL NA CONFORMIDADE DA ATA E NOTAS TAQUIGRÁFICAS DA SESSÃO, QUE INTEGRAM ESTE JULGADO, À UNANIMIDADE, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO. (Apelação Nº 0007480-55.2009.8.08.0021 (021090074804)

No mesmo sentido, segue em síntese decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo:

“Irresignado, o agravante sustenta, em breve síntese, que: (i) não é possível equiparar os cartórios com as pessoas formais do art. 12 do CPC, pois os mesmos não possuem conteúdo econômico imediato, tampouco são capazes de contrair direitos e obrigações; (ii) os cartórios representam apenas o espaço físico onde é exercida a função pública delegada ao particular, pessoa física a quem o Estado outorga a delegação por meio do condizente concurso público; (iii) os cartórios não possuem personalidade jurídica, não são empresas, não têm fundo de comércio, não visam ao lucro, nem estipulam livremente o valor dos emolumentos cobrados; (iv) o fato dos cartórios serem inscritos no CNPJ não desnatura a condição de pessoa física do notário ou registrador, uma vez que tal cadastro destina-se exclusivamente para fins de recolhimento de tributos de terceiros e prestação de informações sobre operações imobiliárias. (…) Dessa forma, por consectário, assentou-se que a obrigação jurídica pelos danos causados pela má prestação do serviço cartorário (notarial ou registral) deve ser suportada unicamente pelo serventuário que perpetrou o ato viciado. Isto porque, seu sucessor assumiu a delegação diretamente do Poder Público, e não adquirindo fundo de comércio ou por transferência de todos as obrigações e os direitos advindos do seu antecessor.” (Agravo de Instrumento Nº 0046520-93.2013.8.08.0024. TJES)

A citada decisão ainda faz referência a importantes lições de Carlos Roberto Teixeira Guimarães, doutrinador amplamente citado pelos Tribunais Superiores para reafirmar que a responsabilidade pelo Serviço Notarial e Registral recai sobre a pessoa do Titular delegatário da época da ocorrência do fato, uma vez que cartório é ente despersonalizado, in verbis:

“A serventia nada mais é do que o espaço físico de uma repartição pública, onde, se presta um tipo de serviço público essencial à inserção do indivíduo na ordem jurídica, para o efetivo exercício de determinados interesses tutelados, ou, para a expressão documental da personalidade. (…) Então, a estabilidade no serviço extrajudicial, para o oficial delegado tem como termo inicial o ato administrativo de delegação pela autoridade competente. Aqui, é que primariamente começa a responsabilidade, pois, é ato de delegação que se tem o marco da investidura em função pública. (…) A delegação é uma descentralização administrativa intuitu personae na pessoa do oficial delegatário (…). Aqui identificamos uma espécie de ausência de responsabilidade civil, seja pelo regime ordinário, ou pelo regime extraordinário, pois, à serventia, a repartição pública cartorial, não se empresta personalidade civil, porque não é pessoa titular de direitos e deveres na ordem jurídica, privada ou pública. O cartório não atende ao artigo 1º, da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, "Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil". (…) Destarte, o arquivo público está fora do comércio jurídico de direito privado, tanto que, só se defere seu gerenciamento, pela delegação constitucional dos serviços notariais e de registros públicos. Esta delegação transfere a estabilidade no gerenciamento do foro extrajudicial. Por isso, não há relação jurídica entre o cartório e qualquer pessoa. A invenção do constituinte na delegação constitucional não tirou da serventia a natureza de mera repartição pública, pois, a preocupação maior do legislador é com a eficiência no serviço pela desestatização. No regime ordinário temos a descentralização na pessoa do particular, daí porque é esta a pessoa que ordinariamente responde por tudo do cartório, enquanto, no regime extraordinário, a responsabilidade pelo cartório é do Estado (…) A responsabilidade vem da personalidade e como tal, o cartório, só é um arquivo público gerenciado por particular, daí porque, a serventia, ou o serviço não responderem por quaisquer débitos. (…) O tabelião público ou o oficial público registrador não são, certamente, empresários, muito menos, profissionais liberais, "Suas" serventias são arquivos públicos de todos do povo. Portanto, por não se tratar de unidade econômica, muito menos por não ter personalidade jurídica, ao cartório não se empresta responsabilidade civil por débitos de quaisquer natureza, inclusive por direitos do trabalhador. Todos os danos ou débitos ou dívidas e créditos ocorrentes no espaço e no tempo da repartição cartorial, se devem aos seus responsáveis e nunca a serventia em si mesma, que não é personagem na ordem jurídica. (In: A Responsabilidade Civil Cartorária Extrajudicial, Rio de Janeiro: Senai/RJ, 2005, p. 50-53 e 129-131 – grifo nosso)

Tratar o tema de outra forma acabaria por inviabilizar o sistema, pois nenhum profissional do direito em sã consciência se submeteria a um exigente concurso para assumir um serviço e se deparar com dívidas do anterior oficial. Essa alea não faz parte da ideia de concurso público.

Nessa sequencia de ideias, quando o oficial ingressa na atividade, dá início a todas as relações jurídicas a ele pertinentes, quer com relação ao serviço (responsabilidade civil), quer com relação ao fisco (responsabilidade tributária), quer com relação aos empregados (responsabilidade trabalhista).

Esse ideal, consentâneo com a natureza jurídica do serviço, é praticamente inviabilizado pela obrigação de portar um CNPJ, pois todos deixam de enxergar o correto (a figura do oficial) e passam a tratar com uma aparência (o “cartório”).

Portanto, entendemos que qualquer restrição ao notário e/ou registrador para obtenção de um novo CNPJ e, consequentemente, imposição para que seja utilizado CNPJ antigo, aberto pelo anterior tabelião, somente poderia ser instituída por lei, em sentido estrito; e não por ato infralegal ou entendimento administrativo.

Nas palavras do Dr. Clodomir Sebastião Reis, Juiz Federal do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, na ocasião do julgamento do Agravo de Instrumento nº 0015177-82.2013.4.01.0000/DF (03/04/2013), “a delegação do exercício da atividade notarial e de registro é concedida à pessoa física, não sendo atribuída personalidade jurídica ao respectivo tabelionato. Assim, a concessão de CNPJ é feita para a pessoa do tabelião para que este exerça a atividade pública que lhe foi delegada. Não há CNPJ para pessoa jurídica, mas sim para o notário. O notário e/ou tabelião é investido em cargo público em caráter originário, sem qualquer vinculação com o notário anterior. Ademais, a exigência de que o novo titular do cartório utilize o mesmo número do CNPJ fornecido ao seu antecessor não encontra amparo legal (…)”.

Finalmente, considerando que o Tabelionato não é dotado de personalidade jurídica própria e que a inscrição no CNPJ é em nome da pessoa física do Tabelião e não do Tabelionato, entendo ser ilegítima a exigência de utilização, pelo novo titular do Cartório, do mesmo número de CNPJ fornecido ao seu antecessor.

São nossas considerações.

Igor Emanuel da Silva Gomes

Advogado Militante, sócio da ESG Advocacia, Parecerista;

Assessor Jurídico do 2º Ofício de Notas do Juízo de Vitória/ES.

Graduado em Direito pela FDCI – Faculdade de Direito de Cachoeiro de Itapemirim/ES.

MBA – Pós Graduando em Direito Civil e Processual Civil pela FGV – Fundação Getúlio Vargas.

Contato: (027) 2141-3373 / (027) 99936-3163  // e-mail: igoremanuel.adv@gmail.com

http://igoremanuel.blogspot.com.br/      

Últimos posts
Showing 0 comments
  • JOSÉ ANTONIO ORTEGA RUIZ
    Responder

    Comungo há tempos com esse vosso entendimento, o que não deveria ser diferente, só questiono uma coisa: “Porque não se faz o certo então?”
    Muitas vezes e pode-se adentrar no site do Bradesco – Parceiro ANOREG-BR, que tem em seus ícones, informes (ao menos está lá), que para a pessoa jurídica os valores dos juros são menores, o que não compreendo, pois todos sabem que só o temos (apesar de já ter visto muitos talões de cheques com o nome da Serventia e o CNPJ dela em movimentação bancária), para o fim expresso indicado nesse vosso parecer. Mas fico ainda com a dúvida. Um abraço. José Antonio – Amaporã-PR. (Titular – Serventia Distrital de Amaporã-PR).

  • ESTER MACHADO CARVALHO
    Responder

    Excelente artigo. Mas em caso de serventia vaga por morte do antigo titular por exemplo. Ocorre mudança de CNPJ?

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar