Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Identificando as partes

 em Notarial

Por Felipe Leonardo Rodrigues*

Identificar é estabelecer a identidade (ou individualidade) de um fato, uma coisa ou uma pessoa. Diferenciando-as das demais para não se confundir com as da mesma espécie ou com os seus semelhantes.

Em matéria notarial, além de constituir princípio de qualquer instrumentação notarial, exceto para a autenticação de cópias, é dever legal consoante o disposto no art. 215, inciso II, do Código Civil.

O modo seguro para identificar a pessoa natural é o documento de identidade original, por evidente, sem indícios de adulteração ou sinais indicativos de fraude. Até porque, é vedada a abertura de ficha-padrão com documentos de identidade que contenham aspecto que não gere segurança, como por exemplo, documentos replastificados (item 60, Cap. XIV das normas da NCGJSP), com foto em desacordo com a aparência real do depositante, documentos abertos, de modo que a foto encontra-se de forma irregular, etc. Caso a fotografia gere dúvidas sobre a identidade do portador do documento, o tabelião poderá solicitar outro documento efetivo para sanar tal circunstância.

Para identificar a pessoa jurídica, o documento hábil é o contrato social1 (ato constitutivo) e sua consolidação ou eventuais alterações (arts. 45, 985 e 1.150, Código Civil), bem como a inscrição no CNPJ/MF (Dec. 3000/99, art. 146), e da mesma forma, não deve conter indícios de adulteração ou sinais indicativos de fraude.

Por cautela, o tabelião, quando suspeitar dos documentos apresentados, pode ele acessar os registros da JUCESP (Sociedades Empresárias e Empresários) ou solicitar a certidão expedida pelo Registro Civil das Pessoas Jurídicas (Sociedades Simples, Firma Individual, Associações e Fundações) para sanar a dúvida no procedimento identificatório.

Sem ter a pretensão de esgotar o tema, trazemos alguns documentos que constituem identidade:

Brasil

Carteira de Identidade

Base legal: Lei federal nº 7.116/1983 | Regulamento

Registro de Identidade Civil2

Base legal: Lei federal nº 9.454/1997

Carteiras de Identidades expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (OAB3, CRM, CRO, CRC, etc.)

Base legal: Lei federal nº 6.206/1975

Carteira Nacional de Habilitação – CNH, válida e vigente

Base legal: Lei federal nº 9.503/1997

Registro Nacional de Estrangeiros – RNE, válido e vigente4,5

Base legal: Lei federal nº 6.815/1980 | Regulamento

Passaporte Nacional, válido e vigente

Base legal: Decreto nº 1.983/1996

Passaporte Estrangeiro, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Base legal: Lei nº 6.815/1980 | Regulamento

Carteiras de Identificação das Forças Armadas, bem assim, Carteiras de Oficiais e dos Policiais Militares do Estado de São Paulo

Base legal: Decreto Estadual nº 14.298/1979

Cédula de identidade Portuguesa

Base legal: Lei nº 7.116/83, Decretos nºs 89.250/83 e 70.391/972 e Decreto nº 70.436/1972

Certidão do registro civil

Base legal: Lei nº 6.015/1973, art. 29 c/c Código Civil, art. 9º

Carteira de Identidade expedida pelo DOPS (tipo livrete), inválida por não conter os requisitos de validade fixados em Lei

Base legal: Lei federal nº 7.116/1983 | Regulamento

Argentina

Cédula de Identidade expedida pela Polícia Federal, válida e vigente

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Documento Nacional de Identidade, válida e vigente

Libreta de Enrolamiento, válida e vigente

Libreta Cívica, válida e vigente

Base legal: Decreto federal nº 3.435/2000 e Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Paraguai

Cédula de Identidade, válida e vigente

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Base legal: Decreto federal nº 49.100/1960 e Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Uruguai

Cédula de Identidade, válida e vigente

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Base legal: Acordo de “ModusVivendi”sobre Trânsito de Turistas Troca de notas em Montevidéu, em 2 de abril de 1982 e Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Bolívia

Cédula de Identidade, válida e vigente

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Base legal: Decreto federal nº 5.541/2005 e Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Chile

Cédula de Identidade, válida e vigente

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Base legal: Decreto federal nº 31.536/1952 e Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Colômbia

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Cédula de Identidade, válida e vigente

Cédula de Extranjeria, válida e vigente

Base legal: Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Equador

Cédula de Ciudadanía, válida e vigente

Cédula de Identidade (para estrangeiros), válida e vigente

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Base legal: Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Peru

Passaporte, válido e vigente; com visto6 de permanência não expirado

Documento Nacional de Identidade, válida e vigente

Carné de Extranjería, válida e vigente

Base Legal: Decreto federal nº 5.537/2005 e Acordo MERCOSUL/RMI nº 01/08

Carteiras funcionais não constituem documentos de identidade, tendo por finalidade tão-somente identificar seus titulares no exercício de suas funções (por ex. Assessor Parlamentar, Fiscal de Tributos, Operador de tráfego, Policial Civil, etc.).

Nos casos em que o nome divergir entre o documento e o nome escrito na ficha-padrão, a(o) depositária(o) deverá apresentar a certidão de casamento (não precisa ser atualizada, exceto se houver indícios que a macule).

Notas

1A não adaptação (art. 2031, Código Civil) não obsta a realização de atos negociais no Tabelionato. Não há sanção nesse sentido, porém o tabelião deve aconselhar as partes a proceder ao previsto no Código Civil. (enunciado 394 do STJ, 4º Jornada de Direito Civil: Ainda que não promovida a adequação do contrato social no prazo previsto no art. 2.031 do Código Civil, as sociedades não perdem a personalidade jurídica adquirida antes de seu advento).

2Em processo de adaptação e ajustes.

3O prazo de validade encontra-se prorrogado.

4Os estrangeiros que tenham completado sessenta anos de idade, até a data do vencimento do documento de identidade, ou deficientes físicos, ficam dispensados da renovação (Lei nº 9.505/97).

5Protocolo expedido pelo Departamento de Polícia Federal substitui o documento pelo prazo de sessenta dias (Decreto nº 86.715/1981, art. 83, § 1º, que regulamentou a Lei nº 6.815/1980).

6Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil: clique aqui

Felipe Leonardo Rodrigues é Tabelião Substituto e atua no 26º Tabelionato de Notas de São Paulo

 

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Eduardo von Mühlen
    Responder

    Parabéns Felipe pela clareza e precisão de sempre.
    Tenho uma dúvida, para qualificar em uma escritura uma empresa estrangeira, sem sede nem filial no Brasil (domiciliada no exterior), além do CNPJ e da Procuração (já traduzida e registrada no RTD), também é necessário exigir o estatuto social (ou seu equivalente no país de origem)? Que lhe parece?
    grato,

  • Eduardo von Mühlen
    Responder

    Parabéns Felipe pela clareza e precisão de sempre.
    Tenho uma dúvida, para qualificar em uma escritura uma empresa estrangeira, sem sede nem filial no Brasil (domiciliada no exterior), além do CNPJ e da Procuração (já traduzida e registrada no RTD), também é necessário exigir o estatuto social (ou seu equivalente no país de origem)? Que lhe parece?
    grato,

  • Felipe Leonardo Rodrigues
    Responder

    Caro Eduardo,
    Exigiria um certificado lavrado por um notário no País sede, autenticando a regularidade da pessoa jurídica no País, a representação e a legitimidade da mandante alusivo a procuração.
    Cordial abraço,
    Felipe Leonardo Rodrigues

  • Felipe Leonardo Rodrigues
    Responder

    Caro Eduardo,
    Exigiria um certificado lavrado por um notário no País sede, autenticando a regularidade da pessoa jurídica no País, a representação e a legitimidade da mandante alusivo a procuração.
    Cordial abraço,
    Felipe Leonardo Rodrigues

  • Eduardo von Muhlen
    Responder

    Caro Felipe, outra questão que tem sido debatida é a validade ou não da CTPS como documento de identidade. A própria ICP-Brasil, nas regras que disciplinam a emissão de certificados digitais admite a Carteira de Trabalho como documento de identidade, citando expressamente o caput do art. 40 da CLT (“Art. 40 – As Carteiras de Trabalho e Previdência Social regularmente emitidas e anotadas servirão de prova nos atos em que sejam exigidas carteiras de identidade…”), qual sua opinião a respeito?
    grato,
    Eduardo

  • Eduardo von Muhlen
    Responder

    Caro Felipe, outra questão que tem sido debatida é a validade ou não da CTPS como documento de identidade. A própria ICP-Brasil, nas regras que disciplinam a emissão de certificados digitais admite a Carteira de Trabalho como documento de identidade, citando expressamente o caput do art. 40 da CLT (“Art. 40 – As Carteiras de Trabalho e Previdência Social regularmente emitidas e anotadas servirão de prova nos atos em que sejam exigidas carteiras de identidade…”), qual sua opinião a respeito?
    grato,
    Eduardo

  • Felipe Leonardo Rodrigues
    Responder

    Caro Eduardo,
    Somente a CTPS informatizada. A antiga não há elementos seguro de segurança.
    Cordial abraço,
    Felipe Leonardo Rodrigues

  • Felipe Leonardo Rodrigues
    Responder

    Caro Eduardo,
    Somente a CTPS informatizada. A antiga não há elementos seguro de segurança.
    Cordial abraço,
    Felipe Leonardo Rodrigues

  • Carina Turatti
    Responder

    Caro Felipe,
    O cartão do cidadão (documento português de identificação) constituiria identidade de pessoa de nacionalidade portuguesa não residente no Brasil e que não possui passaporte e RNE válidos (documentos estão vencidos).
    Caso negativo, a certidão de casamento na qual consta a filiação poderia ser considerada como identidade desta pessoa?
    Desde já, agradeço pela atenção.
    Carina

  • Carina Turatti
    Responder

    Caro Felipe,
    O cartão do cidadão (documento português de identificação) constituiria identidade de pessoa de nacionalidade portuguesa não residente no Brasil e que não possui passaporte e RNE válidos (documentos estão vencidos).
    Caso negativo, a certidão de casamento na qual consta a filiação poderia ser considerada como identidade desta pessoa?
    Desde já, agradeço pela atenção.
    Carina

  • Felipe Leonardo Rodrigues
    Responder

    Oi Carina,
    Infelizmente não, seria o passaporte (com visto não expirado), RNE (os estrangeiros que tenham completado sessenta anos de idade, até a data do vencimento do documento de identidade, ou deficientes físicos, ficam dispensados da renovação) e RG (cf. Tratado de Porto Seguro).
    Cordial abraço,
    Felipe Leonardo Rodrigues

  • Felipe Leonardo Rodrigues
    Responder

    Oi Carina,
    Infelizmente não, seria o passaporte (com visto não expirado), RNE (os estrangeiros que tenham completado sessenta anos de idade, até a data do vencimento do documento de identidade, ou deficientes físicos, ficam dispensados da renovação) e RG (cf. Tratado de Porto Seguro).
    Cordial abraço,
    Felipe Leonardo Rodrigues

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar