Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

GRAVIDEZ – ESCRITURA DE SEPARAÇÃO E DIVÓRCIO

 em Notarial

Fui procurado por um casal buscando separação por meio administrativo. Até aí nenhuma novidade, porque desde o advento da Lei 11.441/07 os tabeliães são consultados a todo instante quanto aos procedimentos de separação e divórcio por meio de escritura pública.

Aos poucos a novidade passa, a lei se incorpora aos costumes e as pessoas acabam sabendo quase que de cor e salteado os requisitos para a separação e o divórcio através de ato notarial, como consenso e ausência de filhos menores ou incapazes.

Certo é também que a lei trata dos filhos comuns, ou seja, do casal, e não dos filhos que eventualmente possam eles ter de outras relações, de modo que a existência de filhos menores ou incapazes, mas que não sejam fruto do casamento, não impede separação ou divórcio por escritura pública.

Mas, e quanto aos filhos não nascidos, porém já concebidos ao tempo da separação ou do divórcio?

A lei civil presume ser do casal os filhos concebidos na constância do casamento (art. 1.597), mas enquanto presunção pode ela ser ilidida.

Sabe-se também que a lei protege o direito do nascituro desde o momento da concepção, nos termos do art. 2º do Código Civil brasileiro, inclusive quanto ao direito de herança.

Assim, de regra, o melhor entendimento é o que prega pela negativa da escritura pública em caso de gravidez, orientando-se o casal a buscar separação ou divórcio em juízo.

Mas, toda regra tem exceção.

Por exemplo, na hipótese do casal referido, Nesinho e Neneca. Para quem não lembra ou não leu neste espaço sobre os problemas conjugais do jardineiro (vide “A partilha de bens na separação e no divórcio”), a Neneca andava traindo o pobre há muito tempo, e segundo ele até com certa razão, porque já não dormia com ela por mais de ano. A gravidez descoberta serviu como gota d”água para a separação legal.

Quando eu disse que não poderia praticar o ato, Nesinho se retesou todo, coçou os dois cocurutos na testa e de dedo em riste vociferou, com outras palavras, mais ou menos o seguinte: Por quê, se a gravidez resultou de relacionamento fora do matrimônio? Em caso tal, a vedação do ato administrativo de separação ou divórcio não tem razão de ser, uma vez que a lei visa proteger a prole resultante das relações do casamento. Aliás, o nascituro estará mais protegido se afastado daquele que não é o pai. E arrematou: “Ora, ora, seu dotô”!

Matutei que o Nesinho, mesmo analfabeto, poderia ter razão. E cada caso é um caso.

Além do que a Neneca foi enfática quando disse que “esse daí só serve pra roncar, na cama. É claro que não é o pai”.

Pois vou dizer: lavrei a escritura!

Depois fiz a leitura do ato para os dois e para o Dr. Ilceo, que assinou a rogo do Nesinho, além do advogado que os acompanhou, esclarecendo no texto que a mulher declarou de livre e espontânea vontade encontrar-se grávida de outra relação, bem como que o varão reconhecia não ser o pai da criança, por não ter havido coabitação do casal por período maior que um ano.

A partilha da casinha de meia água ficou para ser feita no divórcio. Por enquanto, como não têm outro leito, vão dividir o uso da meia aguinha, mas cada um num canto.

E com a condição que Nesinho ronque mais baixo, como exigiu Neneca.

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Carlos Luiz Poisl
    Responder

    Ói, Hildor.
    Tá explicado por que não achei o teu escrito de cara. Procurei em “Artigos”, mas agora vi que não é um artigo. É uma crônica, ou um “causo” assucedido. Mas dá até pros Nesinhos que nunca viram nem de perto um Código Civil entender que o tabelião, pode, sim, lavrar a escritura em casos que tais.

  • Douglas Gavazzi - 25 TNSP
    Responder

    Também passei por situação idêntica. Na ocasião, logo no início da Lei 11.441/07, ainda que constrangido indaguei a separanda sobre a existência notória do nascituro. Ambos (separandos) me responderam conjuntamente: “o filho não é deste casamento!!!”. Não foi preciso mais perguntas. Lavrei a separação.

  • JOSÉ ANTONIO ORTEGA RUIZ
    Responder

    É Dr. Hildor, como diria o “Ratinho”: R A P A IIIIII Z.
    Vai ser sincero assim lá… na separação. Hehehehe
    Um abraço. E em tudo visualizamos realmente um grande aprendizado.
    Do Amigo sempre, José Antonio, daqui de Amaporã, no fundão do Noroeste Paranaense. (hehehe).

  • LUIS MÁRCIO
    Responder

    Caro Hildor,
    como o Código Civil fala que o adultério, mesmo que confessado, não basta para ilidir a presunção de paternidade, não seria mais seguro, juridicamente, exigir que a escritura de separação, em tal caso, fosse também assinada pelo verdadeiro pai?
    Abraço,
    Luis

  • J. Hildor
    Responder

    Na escritura de divórcio há presença somente do casal, além do advogado assistente, não comportando a participação de terceiro.
    No caso da Neneca, a criança já nasceu e foi devidamente registrada pelo verdadeiro pai.
    Entendo também que sequer houve adultério, posto que Nesinho e Neneca estavam separados de fato há mais de um ano.

  • J. Hildor
    Responder

    Parece que o Colégio de Corregedores apreciou o texto aqui publicado, deixando-nos altamente honrados, ainda que tenha entendimento contrário ao nosso, o que é próprio do Direito, tanto que foi editada a “Carta de Manaus”, pela qual os tabeliães de notas são orientados a não lavrar escrituras de divórcio, havendo gravidez.
    Eis a notícia no sítio do Conselho Federal do Colégio Notarial do Brasil:
    “Escritura de divórcio e separação na gravidez: manifestação do Colégio de Corregedores. O Colégio Permanente de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil (CCOGE) foi fundado no dia 25 (vinte e cinco) de outubro de 1995, na cidade de Maceió (AL).
    Tradicionalmente, todos os Encontros do CCOGE encerram com a confecção de uma Carta cujas recomendações pontuam as ações das Corregedorias enquanto órgãos executivos nos Tribunais dos Estados.
    No 63° ENCOGE, que aconteceu no Hotel Tropical de Manaus de 26 a 28 de setembro, foi redigida a Carta de Manaus, cujas orientações estão voltadas em evidenciar o Poder Judiciário como vetor de cidadania e inclusão social.
    Atualizada em 07/10/13″.
    Tornaremos sobre o assunto, numa próxima postagem aqui no blog notarial, porque o tema é bem interessante.
    A íntegra da Carta pode ser lida em http://www.notariado.org.br

  • J. Hildor
    Responder

    Depois de anos, e contrariando o entendimento exposto no texto acima, o CNJ resolveu que mulher grávida – seja ou não do Nesinho – não pode fazer separação ou divórcio por escritura pública.
    A Resolução 220, de 26 de abril de 2016, alterou a Res. 35, de 24 de abril de 2007:
    “Art. 34 Parágrafo único. As partes devem, ainda, declarar ao tabelião, na mesma ocasião, que o cônjuge virago não se encontra em estado gravídico, ou ao menos, que não tenha conhecimento sobre esta condição.”

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar