Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Documento falso e responsabilidade civil (final)

 em Notarial

Hércules Benício, contudo, citando José Renato Nalini, vai em direção contrária. Para ele, a partir da Constituição Federal de 1988, desde logo, pode-se inferir que quis o constituinte originário conceder maior autonomia a notários e registradores. Acompanhou essa autonomia “respectivo acréscimo de responsabilidade, tanto é que o art. 21 do Estatuto de Notários e Registradores (Lei 8.935/1994) refere-se à responsabilidade exclusiva do titular. Conforme leciona Nalini (1997, p. 81-83), a partir da vigência do art. 236 da CF de 1988, houve substancial mudança do regime das serventias extrajudiciais não-oficializadas. Registrador e notário exercem função pública, mas ‘em seu próprio interesse’, e sem estarem ligados ao Estado por uma relação hierárquica; por isso, devem ser os únicos responsáveis pelos danos ‘provocados por suas próprias omissões (e ações) profissionais, com todo seu patrimônio pessoal’, como se existisse uma total identidade entre a pessoa do titular e o ofício que administra. A Constituição é por demais clara ao determinar o regime de delegação para o desempenho de serviços notariais e de registro.” (Grifos nossos.)

De mais a mais, bem anda o notável Celso Antônio Bandeira de Mello ao defender que descabe responsabilizar o Estado se, nada obstante atuação compatível com as possibilidades de um serviço normalmente organizado e eficiente, não lhe era possível nem razoavelmente exigível impedir o evento danoso gerado por força (humana ou material) alheia.

“Ademais, solução diversa conduziria a absurdos. É que, em princípio, cumpre ao Estado prover a todos os interesses da coletividade. Ante qualquer evento lesivo causado por terceiro, como um assalto em via pública, uma enchente qualquer, uma agressão sofrida em local público, o lesado poderia sempre argüir que o ‘serviço não funcionou’. A admitir-se responsabilidade objetiva nestas hipóteses, o Estado estaria erigido em segurador universal!”

E a responsabilidade do notário?

Do quanto já exposto, seria subjetiva a responsabilidade deste, ou seja, dependeria de averiguação de culpa lato sensu, que inclui a verificação da intencionalidade do agente no erro perpetrado.

Contudo, milita a favor tanto do Estado quanto do notário a existência de uma falsidade documental refinada, bem elaborada (não grosseira, somente perceptível com análise técnica).

A aparência irrefutável de idoneidade dos documentos falsos utilizados para a lavratura da escritura pública de venda e compra, desde que observados todos os requisitos procedimentais previstos em lei para o ato notarial, afasta a responsabilidade do tabelião e, por conseqüência, a aplicação do disposto no art. 22 da Lei n. 8.935/1994.

Considerar como desidiosa a ação do tabelião, tendo em vista ser falsa a identidade apresentada pela parte para lavratura da escritura pública, é desconhecer, absurdamente, que aquele profissional (operador do direito, precipuamente, a partir da Constituição de 88) não possui condições técnicas, muito menos obrigação normativa, de certificar que a identidade que lhe é apresentada é falsa, se tal não for facilmente perceptível. Não configurada culpa, portanto, não pode jamais ser responsabilizado.

Como poderia o notário responder subjetivamente (ou o Estado, objetivamente) pela lavratura de um ato com suporte em documento contendo todas as características de autêntico e verdadeiro?

Otávio Guilherme Margarida socorre-nos, na conclusão destas linhas: “Da mesma forma, pode o magistrado ser responsabilizado se uma pessoa lhe apresentar uma identidade falsa, com todas as características de autenticidade, e comparecer em audiência, firmar acordo e, conseqüentemente causar prejuízos a terceiro? Entendo que não! Em ambos os casos apresentados, nem tabelião, nem magistrado agem com desídia, mas são, sim, induzidos a erro pela ação de pessoas de má-fé. Tabelião e magistrado não são peritos, não têm obrigação e conhecimento técnico e cientifico para auferir se o documento que lhes foi apresentado é verdadeiro ou falso.” (Adaptamos. Grifamos.)

_______________

Este post apresenta conclusão de resumo de artigo nosso publicado na revista Prática Jurídica. Analisa-se a responsabilidade civil do notário em decorrência da lavratura de ato lastreado em documento falso. As notas foram excluídas – texto longo entedia, por vezes, o apressado leitor.

 

 

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Manoel Valente
    Responder

    Parabéns pelo artigo. Domínio de ideias e conteúdos.

  • Roberto Mizael
    Responder

    Minha tese de mestrado tem como tema central a responsabilidade civil. Gostei do texto.

  • Ricardo Gentil Marcon Júnior
    Responder

    Parabéns pelo texto, colocou em poucas linhas o que penso, os Doutrinadores que tem opinião contraria ratificam a omissão da União , Estado e municípios, quanto a suas responsabilidades.

  • Otavio Margarida
    Responder

    Lafaiete, parabéns pelo artigo – resumo. Gostaria muito de le-lo na integra. Não encontrei o site da revista Pratica Juridica. Podes me encaminhar por e-mail? e obrigado pela citação ao final. Grande abraço, Otávio

  • Lafaiete Luiz
    Responder

    Caro Otavio Margarida, encaminharei o artigo por e-mail. Agradeço a fineza de suas palavras e dos demais leitores deste festejado blog; elas nos estimulam a prosseguir. Esclareço, por oportuno, que a revista Prática Jurídica, da Editora Consulex, nao tem o conteúdo publicado on line.

  • Luciano Gontijo
    Responder

    De qualquer modo, cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém. Não custa o profissional se municiar de informações por meio de cursos na área e de sites como o http://www.fraudes.org (sobre identidade especificamente – http://www.fraudes.org/showpage1.asp?pg=290 ) .

  • Claudivino Pereira Alves
    Responder

    Olá Senhor Lafaiete,
    Muito interessante esse artigo. Gostaria de lê-lo na íntegra. Se possível, mande-me uma cópia por e-mail.
    Claudivino

  • Tulio
    Responder

    Prezado Lafaiete, se possível, gostaria que você me indicasse algumas referências bibliográficas acerca deste assunto, pois é justamente o tema da minha monografia “Responsabilidade civil dos Tabeliães”.
    A propósito, muito bem elaborado seu artigo, parabéns.
    Desde já agradeço,
    Tulio.

  • Reinaldo de Oliveira Caldas
    Responder

    Olá, prezado Lafaiete. Aceite meus cumprimentos pela qualidade do texto e pela escolha do tema. Também gostaria de ler na íntegra o artigo, dada a relevância do tema. Peço me mande por mail, se possível.
    Att,
    Reinaldo

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar