Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

DO PAGAMENTO DO TÍTULO PROTESTADO NO CARTÓRIO

 em Notarial

Vivo o Protesto de Títulos desde 1994. Mais precisamente 20/03/1994, quando comecei a trabalhar para o meu pai, como auxiliar, no Cartório de Registro de Imóveis e Anexos de Matão-SP (entre estes Anexos, por óbvio, inclui-se o Protesto de Letras e Títulos). Depois como Tabelião de Notas e de Protesto de Letras e Títulos em São Vicente-SP (31/05/2005 à 02/10/2011), e, por fim, como Tabelião de Notas e de Protesto de Letras e Títulos de Matão-SP (desde 03/10/2011). Ao longo de todos estes anos, sempre mantive um certo sentimento de desconforto em relação a uma regra elementar do nosso setor de Protestos: uma vez protestado o título, após o tríduo legal, o pagamento somente poderá ser feito diretamente ao credor, que então dará a devida quitação para o cancelamento. Esta regra me incomoda por três razões: 1-) Normalmente o devedor, após ser protestado, se dirige ao Cartório, e não ao seu credor, para regularizar a sua situação; neste momento, quando o atendente do Tabelionato o direciona ao credor para saldar o seu débito, o usuário do serviço, não raras vezes, acaba não entendendo o motivo da não possibilidade de acerto da dívida diretamente com o Cartório que o protestou; 2-) Após o pagamento ao credor surge a celeuma de quem é o responsável por efetuar o cancelamento, o que, por vezes, acaba refletindo no próprio Tabelionato, com ações à ele direcionadas questionando-se o porquê da não exclusão da negativação do devedor; e, 3-) Porque não se utilizar do serviço extrajudicial para resolver todos os trâmites legais para a liberação da negativação do usuário (pagamento e cancelamento concomitante)? Veja: os órgãos de proteção ao crédito, como o Serasa, por exemplo, já fornecem ao devedor a possibilidade de resolver a sua situação creditícia diretamente em suas sedes. Isso, com certeza, auxiliaria os devedores e, com muito mais razão, os credores, que passariam a receber o que lhes é de direito de forma mais célere. O pensamento aqui esposado depende, obviamente, de uma alteração legislativa na nossa Lei Federal n.º 9.492, de 10/09/1997. Tudo depende de um certo esforço legislativo para avançarmos neste caminho. Eu sugeriria os seguintes acréscimos à serem introduzidos na Lei de Protestos para atingirmos tais objetivos:
“Art.19-A. O pagamento também poderá ser feito diretamente no Tabelionato após o registro do protesto (Art. 20), mediante a cobrança do valor do título protestado e dos emolumentos e despesas da Serventia Extrajudicial, sendo vedada a cobrança de juros e demais encargos legais por parte do Tabelionato.

§ 1.º Os juros e encargos legais ainda poderão ser objeto de cobrança pelos respectivos credores, desde que não prescritos, por meio de ação própria.

§ 2.º Uma vez feito o pagamento na forma do ‘caput’ deste artigo, o Tabelionato disponibilizará o respectivo valor ao credor em até 1 (um) dia útil, comunicando-lhe, por meio idôneo, à respeito do pagamento, e, intimando-o a retirar o seu crédito na Unidade Extrajudicial.

§ 3.º Após o pagamento, o Tabelionato efetuará, desde logo, o cancelamento do protesto, arcando o devedor com os emolumentos devidos por este ato.

(…)

Art. 26. (…)

§ 7.º Efetuado o pagamento na forma do Art. 19-A desta Lei, o Tabelionato fará, desde logo, o respectivo cancelamento, arcando o devedor com os emolumentos relativos à este ato".

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Antonio José Caltram
    Responder

    Presado Tarcisio,

    Achei muito interessante e proativa sua matéria.

    Da mesma forma vejo a questão !
    Com certeza traria ao protesto e aos credores uma eficiência muito relevante.

    Um grande Abraço !!
    Parabéns !!

  • Henrique Resende Siqueira
    Responder

    Prezado Tarcisio,

    A ideia é excelente e uma boa forma de agregarmos valor ao serviço de protesto. Com a máxima vênia, divergiria apenas do caminho para chegar no objetivo proposto: não acredito que a alteração legislativa seja necessária, tampouco simples e rápida de promover.

    Sugeriria um procedimento simples: já no formulário de apresentação o credor deixa pré-autorizado o cancelamento mediante o pagamento não só das custas do cartório, mas também do valor do título, que deverá ser depositado na conta indicada. Algo semelhante com o pedido de retirada condicional recentemente criado para a Elektro.

    Parabéns pela proposta!

    Abraço!

  • Vagner Bueno dos Santos
    Responder

    Prezado Tarcisio!
    Gostei muito da ideia é sem duvida é uma forma de prestar um atendimento eficaz aos usuários e é uma proposta de melhoria com os parceiros e processos, politica de Qualidade constantemente praticada e proposta pelo nosso Tabelião “Guido Castro Santos”, respeitando é logico a lei e a verdade.
    E a sugestão do caro amigo Henrique Resende Siqueira de um “procedimento simples: já no formulário de apresentação o credor deixa pré-autorizado o cancelamento mediante o pagamento não só das custas do cartório, mas também do valor do título, que deverá ser depositado na conta indicada”, agrada muito a sua iniciativa de uma proposta deste nível devido existência e possibilidade de protestos para fins especiais como o falimentar e direito de regresso que a principio o formulário de apresentação para protesto resolveria, claro com alguns ajustes.
    Parabéns pela iniciativa da proposta!
    Abraço!

  • Fábio Torresan
    Responder

    Nobre Colega, compartilho das suas idéias, sempre me questionei sobre a razão de não ser possível o pagamento após o protesto diretamente no tabelionato…. seria tão simples isso, bastaria o apresentante indicar uma conta corrente para que pudesse ser realizado o deposito do valor pago, ou quem sabe criar mecanismo para colocar qualquer quantia a disposição do credor, algo parecido com um deposito judicial.
    Parabéns pelo texto!
    Abraço

  • Fábio Torresan
    Responder

    Nobre Colega, compartilho das suas idéias, sempre me questionei sobre a razão de não ser possível o pagamento após o protesto diretamente no tabelionato…. seria tão simples isso, bastaria o apresentante indicar uma conta corrente para que pudesse ser realizado o deposito do valor pago, ou quem sabe criar mecanismo para colocar qualquer quantia a disposição do credor, algo parecido com um deposito judicial.
    Parabéns pelo texto!
    Abraço

  • Fábio Torresan
    Responder

    Nobre Colega, compartilho das suas idéias, sempre me questionei sobre a razão de não ser possível o pagamento após o protesto diretamente no tabelionato…. seria tão simples isso, bastaria o apresentante indicar uma conta corrente para que pudesse ser realizado o deposito do valor pago, ou quem sabe criar mecanismo para colocar qualquer quantia a disposição do credor, algo parecido com um deposito judicial.
    Parabéns pelo texto!
    Abraço

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar