Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Virtualidade Real

 em Doc. Eletrônico

 

Surpresa, fascinação, mistério, encantamento e por fim adoração. E assim desde então o homem vem se espantando com sua própria capacidade e invenções, Jaron Lanier um conhecido cientista norte americano, lá no início dos anos 90, ao que se tem notícia foi o primeiro a usar a expressão “realidade virtual”, fascinado diante do que via e “sentia” ao descobrir a simulação de ambientes e coisas num computador.

Além de Lanier, Nicholas Negroponte em sua antológica obra Being Digital (1995) também plantou misticismo quando fez uma clara distinção entre os bens em átomos e em bits. Em sua célebre definição afirmava: “Um bit é algo como a água, não tem cor não tem cheiro, porém seus (não) atributos são mais que esses. Um bit também não tem tamanho ou peso… é um estado ligado ou desligado, verdadeiro ou falso…”

E assim caminhou a humanidade, encantada e fascinada com essa nova descoberta, os misteriosos bits – que diariamente continuam a causar-nos espanto diante de suas funcionalidades -. Virtual opôs-se ao real, a antítese jocosa de Lanier pegou. O tempo, que em outros tempos era presente, passado ou futuro, passou a ser também o “em tempo real”. As comunidades, que outrora eram compostas de pessoas que habitavam o mesmo lugar e se conheciam, passam a existir também na forma “virtual”.

Virtual em seu sentido da era pré-digital – aquele que existe somente como perspectiva, que é etéreo e portanto imaterial – confundiu-se com o virtual pós digital, decorrente de uma saída sensorial, produto de um software. A confusão sendo somente lingüística, como força de expressão, não causaria maiores danos. Porém, confundi-los tratando os bits como bens incorpóreos tem criado situações legais, no mínimo, curiosas para não dizer esdrúxulas. Uma delas: Software vendido em CD na prateleira, tributado como mercadoria e aqueles baixados pela internet como serviços.

Últimos posts

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar