Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Sobre testamentos, imprensa e misticismo

 em Diversos

 

Sobre testamentos, imprensa e misticismo

 

Aqui em Campinas circula um jornal popular de grande tiragem denominado Diário do Povo, nele publicamos – eu os demais oficiais de Registro Civil da Cidade – os Editais de Casamento, conforme a lei nos obriga a fazer. A edição do dia 16 de junho de 2010, além dos Proclamas, trouxe uma notícia sobre o testamento do cantor Michael Jackson, falecido recentemente e ainda uma página dedicada a horóscopo e coisas do gênero: Seção Alto Astral. Sobre editais de casamento não há muito a dizer (talvez fosse interessante fazer uma crítica por ainda existirem, mas aqui não será feito) mas as outras matérias despertaram neste autor o desejo de escrever sobre um tema que a muitos desagrada mas a todos interessa, pois é fato que deste tema amargo, não se pode escapar: a morte e as disposições pessoais sobre ela.

A seção Alto-Astral daquele periódico campineiro indicou a carta do dia, escolhida do baralho de tarô:  a morte. Este tabelião assim como,  provavelmente, a maioria dos (efetivamente poucos) leitores deste escrevinhador, quase nade sabe acerca deste jogo místico e mágico que se chama tarô.

Mas o fato é que a tal “carta do dia”, denominada “morte”, reproduzida em cores e no tamanho normal de uma carta de baralho, em si mesma, é perturbadora, e, inteligentemente foi acompanhada do texto a seguir reproduzido: A carta de hoje é A MORTE. O aprendizado da vida é feito por meio das experiências que temos, vivemos e passamos. É necessário coragem. Por pior que pareça a dificuldade, tenha certeza de que pode supera-la com persistência e força. (Silvia Helena Francisco – altoastral@rac.com.br – Diário do Povo, Campinas, 01/06/2010. P.11)

Dado o crédito à autora do texto, entende cabível este autor, a realização de um comentário, algo irônico, mas inquestionavelmente verdadeiro: a única dificuldade da vida que não se pode superar é a própria morte. Entretanto, na medida em que frases dolorosas e cruamente verdadeiras não podem ter lugar em uma página dedicada ao misticismo, horóscopo, recado dos anjos etc., portanto, não se pode negar, o texto escrito, coerente e elegante, combina-se muito bem com o contexto daquela seção denominada Alto Astral.

O que chamou a atenção deste escritor não foi, efetivamente, o texto reproduzido, mas a carta em si. A imagem é perturbadora e tocante. Ali se reproduz algumas cabeças cortadas (quiçá, de um rei e de uma rainha, pois ainda estão adornadas com uma coroa), mãos, pés e ossos humano espalhados pelo chão, tudo ao redor de uma figura central, semi-humana, armada com um alfange (uma foice de cabo longo e lâmina curva) manchada com o sangue de suas vítimas.

Assustador, mas inegavelmente verdadeiro. A morte desagrega e atinge a todos, mesmo os ricos e poderosos.

Comentada a carta do tarô e a figura da morte, chega-se, enfim, ao astro internacional da música, o norte-americano Michael Jackson. Este, de fato, é assunto que de alguma forma se relaciona com esta página eletrônica mantida por uma entidade de classe dos notários do Brasil; trata-se de comentar o testamento deixado pelo Rei do Pop.

Até onde se sabe, o astro da música, recentemente falecido, estava bem de saúde e ainda em boa fase profissional. Era rico e muito provavelmente não imaginava que a morte o alcançaria aos 40 e poucos anos de idade, deixando três filhos ainda crianças, o mais velho com apenas 13 anos de idade. Entretanto, diferentemente do que ocorre em nossos trópicos, ele, prudentemente deixou testamento formalmente válido e eficaz (segundo relata o citado noticioso) e com algumas disposições curiosas.

Seus três filhos dividirão entre si apenas 40% do patrimônio, mas apenas quando completarem 30 anos de idade. Do total da herança 20% deverão ser doados para caridade (para caridade?…!!). Os 40% restantes ficarão para a mãe do cantor, mas com alguma cláusula suspensiva que não é informada naquela matéria jornalística. Katherim (a mãe de Michael), efetivamente, não receberia imediatamente sua parte na fortuna, mas para cuidar dos filhos do cantor ela passará a receber uma quantia mensal de 81.000 dólares.

As disposições testamentárias de Michael Jackson se completam com a ausência significativa de qualquer legado para o pai, irmãos e para as ex-mulheres, Debbie, Rowe e Lisa Maria Presley (sobrenome familiar? – de fato, Lisa é filha do igualmente cantor Elvis Presley).

Muito interessantes tais disposições, mas o fato é que em nosso direito elas seriam rejeitadas e a justiça, conforme determinação expressa de nossa lei, haveria de ordenar algumas alterações.

A redução testamentária haveria de atingir, reduzindo proporcionalmente, a parte destinada à caridade e à genitora, aumentando até a metade do total a parte dos filhos, herdeiros necessários, a quem nossa lei garante o mínimo de 50% da herança e muito provavelmente ainda haveria de permitir o acesso aos bens, ainda antes daquela idade de 30 anos, estipulada pelo testador.

No Brasil é preciso existir algum motivo para o testador gravar de qualquer maneira a herança legítima, ou seja, os 50% que serão destinados aos herdeiros necessários, no caso, os filhos.

A edição n° 2162 da Revista Veja (28/04/2010) destaca, em sua página 108, parte da matéria de capa da edição – Ajuda para morrer – que  nos EUA a legislação, diferentemente do que ocorre por aqui, consagra integralmente a vontade da pessoa sobre o destino de seus bens e de seu próprio corpo.

Aquela consagrada revista semanal cita o caso da ex-primeira dama, Jacqueline Kennedy Onassis que, em vida, fez mais do legar em testamento seus bens materiais. Ela, ainda lúcida e capaz utilizou-se de um dispositivo conhecido por testamento em vida (living will) para dispor sobre como desejava passar seus últimos dias de vida, pois era vítima de um câncer incurável e encontrava-se já em estado terminal; ou seja, Jackie dispôs sobre como queria morrer e definiu que isso não seria em um hospital, onde artificialmente poderia ainda ser mantida em vida vegetativa; ela preferiu morrer em sua casa, na companhia da família.

 A morte, em 19 de maio de 1994, daquela que parece ter sido a mais famosa primeira dama de toda a história dos EUA (com exceção, talvez, da atual Secretária de Estado, a beligerante, Hilary Clinton) popularizou ainda mais o instituto naquele país. A Veja informa que há três anos, 40% dos americanos declaravam ter assinado o seu testamento.

Conforme indica a matéria publicada naquela revista da Ed. Abril., a presença e intervenção do notário é dispensável para se fazer um testamento válido nos EUA. Naquele país, basta a pessoa fazer seu testamento na presença de duas testemunhas para que sua disposição de vontade tenha força de lei.

Antes de encerrar o assunto, uma observação importante merece ser feita. Não se pode concluir que a legislação brasileira, ao exigir a formalidade maior para a realização de testamento válido – a intervenção do tabelião, aqui, é necessária – seja a única responsável pelo menor uso do instrumento em nosso país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza, trata-se mesmo de uma questão cultural. Não gostamos de tratar do assunto morte, comodamente preferimos deixar isso para depois.

Considere-se, como prova da veracidade do que afirma este autor, o caso do CODICILO, instrumento simples, célere e econômico, que prescinde de qualquer intervenção tabelioa, que é válido e encontra-se, há décadas, expressamente previsto em nossa Lei, mas que ainda hoje não é nem um pouco comum de ser feito.  

 

Últimos posts
Showing 0 comments
  • J. Hildor
    Responder

    O articulista está mesmo de morte, neste texto místico, exercendo a futurologia, tanto que já na terceira linha da carta antecipa a edição do Diário do Povo de 16 de junho de 2010 (note-se que o post é de 04 de junho de 2010).
    É evidente: para não fugir ao tema, astral em alta, ao som de M. Jackson.

  • J. Hildor
    Responder

    O articulista está mesmo de morte, neste texto místico, exercendo a futurologia, tanto que já na terceira linha da carta antecipa a edição do Diário do Povo de 16 de junho de 2010 (note-se que o post é de 04 de junho de 2010).
    É evidente: para não fugir ao tema, astral em alta, ao som de M. Jackson.

  • Marco Antonio
    Responder

    Em atenção ao sempre generoso, Hildor, faço a correção necessária: a edição do jornal é do dia primeiro de junho – 1 de 6 – um erro de transposição do papel para o digital.
    Por incrível que pareça, neste caso particular, primeiramente fiz um raschunho em papel e somente depois digitei o texto. Estava sem um computador à mão no momento em que decidi escrever. De fato, aos finais de semana, por imposição familiar, tenho evitado o uso (ou abuso) desta máquina que nos vicia e domina.
    Abs.
    Marco

  • Marco Antonio
    Responder

    Em atenção ao sempre generoso, Hildor, faço a correção necessária: a edição do jornal é do dia primeiro de junho – 1 de 6 – um erro de transposição do papel para o digital.
    Por incrível que pareça, neste caso particular, primeiramente fiz um raschunho em papel e somente depois digitei o texto. Estava sem um computador à mão no momento em que decidi escrever. De fato, aos finais de semana, por imposição familiar, tenho evitado o uso (ou abuso) desta máquina que nos vicia e domina.
    Abs.
    Marco

  • Amanda Beatriz Barbosa da silva
    Responder

    Oi meu nome e Amanda Beatriz Barbosa da Silva

    Data nasc 11/01/97
    .
    Gostaria de saber porque não tenho sorte no amor e nem no trabalho

  • Amanda Beatriz Barbosa da silva
    Responder

    Oi meu nome e Amanda Beatriz Barbosa da Silva

    Data nasc 11/01/97
    .
    Gostaria de saber porque não tenho sorte no amor e nem no trabalho

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar