Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

QUEM É O AUTOR?

 em Diversos

                 Um documento só tem validade se for possível atribuir-lhe autoria. A escrita à mão e as assinaturas são gestos gráficos psicossomáticos que contém inúmeros elementos, possibilitando sua individualização. É possível saber quem é o autor de uma produção gráfica manuscrita ou ainda indicar a que punho escritor pertence tal texto manuscrito.

             A individualidade da escrita é importante, pois cabe ao perito apontar o conjunto de elementos gráficos que caracterizam tal propriedade a cada escrita sob questionamento. Conclui-se que a individualidade e o ato de escrever são inseparáveis. Nem todas as escritas apresentam elevado alto grau de individualidade, tal como uma assinatura, mas a maioria tem um conjunto de características perceptíveis do escritor.

             Durante o processo de identificação de autoria de um documento manuscrito, cabe ao perito determinar quais características quando tomadas coletivamente correspondem à individualidade do escritor. Por exemplo, a dinâmica e o sequenciamento dos traços produzidos.

               Para tanto existem as Leis do Grafismo, sobre as quais o ato de escrever exige uma harmonia entre cérebro, cabeça, pescoço, braço, mão e, finalmente, dedos (sem esquecer daqueles que utilizam a boca ou os pés para escrever). Todo este sistema, tal qual uma orquestra, precisa aprender a escrever, ou seja, dominar a escrita como forma, como geração de formas e, ainda, de significados. Assim, uma lesão ou falta de um dos instrumentos na orquestra pode acarretar a não realização do gesto gráfico.

           Ademais, o “eu” escritor passa por uma evolução, desde os primeiros rabiscos, até a formação das primeiras letras isoladamente do alfabeto. Esta evolução comprova que a escrita é um ato aprendido, o qual segue nos primeiros anos um modelo apresentado pelo professor ou pais, seja na escola ou em casa. Este aprendizado segue um sinuoso caminho, entre diferentes estilos, tamanhos e inclinações; até que na fase adulta cada pessoa estabelece um padrão gráfico. Este padrão é memorizado, armazenado no cérebro, e a partir deste momento passa a ser executado sem dificuldades. Não é mais necessário lembrar o modelo aprendido na escola, nem mesmo ficar em dúvida como realizar tal letra ou conjunto de letras, o modelo está automatizado.

                 Deste modo, de tão automático que se torna o ato de escrever é que não se pode fugir ou fingir ser outro “eu” sem que se deixem marcas gráficas dessa tentativa. Pois, não se está tentando somente movimentar a mão e os dedos de forma diferente, para gerar outro traçado, mas sim, se está exigindo do cérebro que não produza o modelo automático.

Últimos posts

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar