Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Não existe cartório ‘grátis’

 em Diversos

  

                E “viva” o horário gratuito eleitoral, onde o Brasil se torna perfeito. Tudo será lindo e maravilhoso e “grátis”. A propósito, uma das frases mais propagadas e popularizada sobre economia é de que “não existe almoço grátis”. Se o estudante e o idoso pagam “meia” entrada é porque todos estão pagando a conta. E por óbvio também não existe serviço de cartório “grátis”, nem atendimento na Santa Casa, na defensoria pública, no judiciário e sabe-se lá o que mais os usuários de serviços notariais e registrais pagam.

                O chamado subsídio cruzado – quando alguém paga um serviço que ele mesmo usa ou pior ainda que nunca usará – virou uma prática amplamente disseminada e tida como “politicamente correta”. Quer se eleger ou manter-se no poder? Prometa oferecer uma gratuidade qualquer de preferência aos que também não precisam dela, pois afinal voto é voto!

                Com o subsídio cruzado o poder público – leia-se políticos – procura além de angariar popularidade e “votos” para reeleição, beneficiar uma classe de consumidores mais carente. Assim, o consumidor que paga o subsídio tende a reclamar do preço do produto e não do governo. Sentimos isso “na pele” todo dia em nossos tabelionatos, onde o cliente inclui até o imposto de transmissão na “conta do cartório.”

                Mas afinal o que é justo, recomendável e aceitável em subsídios cruzados? Em primeiro lugar é preciso reconhecer que se o sistema tributário fosse mais eficiente neste sentido, certamente não haveria necessidade deste tipo de compensação entre nós. Bastaria o governo subsidiar os carentes com a receita dos impostos e assim promover justiça socioeconômica. Não o fazendo se obriga a criar esse malfadado subterfúgio que cria uma enorme distorção do preço de serviços e produtos.

                Olhando para os casos mais comuns podemos vislumbrar as distorções geradas pelos referidos subsídios. Aquele que não paga a tarifa de transporte público (idoso) é incentivado a usar mais (por ser isento do pagamento) enquanto o que paga é incentivado a fazer menos viagens. Temos aí portanto no mínimo dois problemas, o primeiro é que a gratuidade está gerando uso desnecessário inflado pela gratuidade e a segunda que, tanto o idoso carente quanto que não precisa da gratuidade são beneficiados. Tudo isso sem falar do custo de administração (cadastros, selos, fiscalização, etc.) e da rara transparência dos sistemas arrecadatórios e de pagamento.

                Os subsídios cruzados encontram-se em muitos serviços públicos tais como água e luz, a chamada “justiça distributiva” pelo pagamento de determinados serviços em favorecimento de outros espalha-se como praga em nosso país. E como não poderia deixar de ser os serviços notariais e de registro vêm sendo fustigados, sendo comum inclusive que os “fundos” e “ressarcimentos” tenham seu preço mais alto que os próprios emolumentos. Nestes casos, temos ainda o agravante que o pagante não é necessariamente beneficiado ou usuário de serviço que lhe é cobrado, caso típico dos fundos ao judiciário que só beneficiam a quem dele se socorre, portanto sem atender o princípio vinculativo previsto no art. 77 do Código Tributário.

                Mas a maior contradição é que os serviços notariais e registrais tem como principal escopo evitar a lide prevenindo o conflito e portanto o judiciário. Pois, são serviços delegados do poder público, cuja finalidade é o desenvolvimento espontâneo e eficaz da sociedade para realização voluntária do direito.

                Mas os subsídios sobre os emolumentos não limitam-se ao judiciário, e sabe-se lá desde quando começaram a pipocar nas irracionais, injustas e desiguais legislações estaduais de emolumentos por este país, onde encontramos desde a Santa Casa de Misericórdia até associações classistas. Ressalte-se que o presente não tem a finalidade de questionar os motivos e as razões, sejam morais, sociais e políticas dos referidos subsídios. Mas apenas e tão somente, provocar uma reflexão sob o aspecto estritamente legal. 

Últimos posts
Showing 0 comments
  • Samuel Luiz Araújo
    Responder

    Parabéns, Volpi!

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar