Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

Grande bobagem em Brasília

 em Diversos

Grande Bobagem em Brasília
Peço aos colegas mais sensíveis, a nossos representantes de classe e ainda aos leitores que eventualmente venham a sentir-se incomodados ou preocupados com a divulgação destas ideias, assim em público e acessível a pessoas má-intencionadas com relação à atividade notarial e registral, mas parece-me evidente que o assunto tratado neste texto é mesmo uma enorme bobagem.

Nesta mesma data em que faço publicar este artigo em nosso blog, está prevista a realização de uma audiência pública para debater o Projeto de Lei nº 1983/15, de autoria do deputado Hildo Rocha, do PMDB do Estado do Maranhão.

A bobagem, por evidente, não é a realização da audiência pública, convocada pela Comissão Especial daquela casa legislativa, bobagem é o próprio projeto de lei. (*)

O autor do projeto de lei pretende fazer alterar um artigo da Lei nº 8935/1994 de modo a submeter notários e registradores a um teto de rendimento. Tal valor seria idêntico ao aplicável aos subsídios pagos pelo poder público a seus funcionários.

Se afirmo assim, tão simplificadamente que é uma bobagem esta proposta, o faço porque vejo nela uma enorme incoerência.
Teto salarial para funcionário público existe unicamente para preservar o tesouro nacional (em última análise, a sociedade como um todo, o verdadeiro patrão do funcionalismo) da tentação a que a administração pode sucumbir de elevar imoderadamente o vencimento de seus representantes.
O ente privado, que presta serviço público sob o regime de delegação ou concessão, regra geral não onera o tesouro. Muito diferentemente, na grande maioria dos casos, além de desobrigar o Estado de prestar um serviço que haveria de representar ônus, a concessão ou delegação representa fonte de receita para os cofres públicos, o que se dá através do pagamento de taxas, contrapartidas e, evidente, impostos, com base nos serviços prestados e rendimentos auferidos.

Pelo absurdo de sua concepção, as questões e provocações a seguir ilustram para o leitor o motivo pela qual se deu o título deste despretensioso artigo.

Alguém concebe como possível cogitar-se em alteração legal como esta proposta para o serviço público de notas e registro, vir a ser aplicada na prestação do serviço (igualmente público) de telefonia e energia elétrica?

Que tal propor limite de rendimentos para os empresários que prestam serviços de transporte coletivo nas grandes cidade?

Ou ainda – a melhor de todas as propostas – que tal limitar-se, na forma de lei, os ganhos líquidos de pessoas e instituições titulares de serviços de radio e de televisão?

Ora, ora, seria uma rematada bobagem propor tais limitações da liberdade do exercício econômico representado pela prestação de um serviço que, sendo público, por sua natureza é prestado aos usuários por entres privados autorizados pelo Estado. Além da uma imensa dificuldade prática para sua correta e justa aplicação, este tipo de concepção que iguala o prestador de um serviço público a um funcionário público não tem sentido algum na ordem econômica existente em nosso país.

São situações diferentes e que, portanto, merecem um tratamento diferenciado.

Não custa ressalvar o óbvio: o funcionário público, para garantir o seu salário, não precisa produzir valor econômico algum, mas o particular que presta serviço público, muito diferentemente, se não produzir por meio de seu trabalho, valor econômico suficiente para cobrir as despesas e encargos necessários à realização do serviço que lhe foi concedido (ou delegado) além de nada receber, poderá se ver obrigado a suportar com seu patrimônio pessoal as despesas a que se obrigou quando assumiu a obrigação de realizar o serviço público a ele concedido.

Na ciência econômica existe um aforismo conhecido de todos e inegavelmente verdadeiro: não existe almoço grátis!

Se é evidente que nas sociedades modernas nenhuma situação com alguma complexidade e valor pode ser verdadeiramente gratuita, também parece se impor como inquestionável o fato de que é incoerente o Estado transmitir para um cidadão ou instituição todos os ônus da prestação do serviço público e manter para si os ganhos e bônus que o serviço prestado possa gerar. A participação do Estado no resultado econômico que eventualmente se apure deve se dar através da cobrança de impostos e taxas e nunca pela apropriação direta do próprio ganho obtido.

É bom que se diga, de fato, na proposta de alteração da lei o seu autor reconheceu que a maioria dos cartórios brasileiros não consegue prover para seus titulares rendimentos vultosos e que, portanto, a alteração da lei haveria de atingir um universo reduzido de notários e registradores. É inquestionavelmente verdadeira esta afirmação.

Acaso aprovada esta alteração na lei 8935/94, este colunista, assim como a imensa maioria de seus colegas, não seriam efetivamente atingidos por nenhuma restrição em seus ganhos líquidos com a atuação profissional (confesso, entretanto, que até gostaria de estar do outro lado da moeda, preocupado em reduzir meu ganhos apenas a um valor igual ao subsídio mensal do Ministros do STF).

Mas o fato da proposta atingir um universo pequeno de tabeliães e registradores, não tira dela sua característica essencialmente incoerente.

A concepção está errada em seu princípio e, portanto, não pode ser aceita pacificamente por nenhum tabelião. Mesmo por aqueles que nem de longe serão atingidos por ela.

Analisando a situação pela ótica do usuário – que em relação a funcionários, concessionários e delegatários de serviço público, de todos é o patrão – é possível afirmar com segurança que o seu interesse é receber a prestação de serviços de forma mais eficiente e econômica possível.

Se alguns cartórios rendem muito dinheiro para os seus titulares, tal fato, em si mesmo, não representa problema algum se o serviço é prestado de forma satisfatória para o usuário.

Talvez, entretanto, unicamente por uma questão de melhor distribuição de renda, fosse interessante o desmembramento de cartórios muito rentáveis; mas isso deve ser analisado com muito cuidado, pois em algumas situações é mais interessante para o usuário manter a centralização da prestação do serviço em um único cartório e a mudança da situação atual não traria nenhuma espécie de ganho para ele.

 

(*) A íntegra da proposta pode ser acessada pelo link: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=D7E3B3999366CE53A1096468D9CC8971.proposicoesWeb1?codteor=1350417&filename=PL+1983/2015 – das justificativas apresentadas ao Congresso Nacional, para a necessidade da alteração da Lei 8935/94 , é extraída a seguinte afirmação do autor daquele projeto de lei: … Desse modo, restando inquestionável a natureza pública das atividades desempenhadas pelos notários e oficiais registradores, devem eles se submeter ao teto remuneratório aplicável aos servidores públicos, atualmente, o valor do subsídio mensal dos Ministros do STF, devendo a soma dos emolumentos que superar esse valor, bem como as despesas com pessoal, com custeio em geral e com investimentos, ser alocada em serviços públicos essenciais, como, por exemplo, a saúde, cujas verbas destinadas, ano após ano, revelam-se manifestamente insuficientes para prestar um atendimento minimamente digno à população.

Campinas, 07 de junho de 2016.

 

 

Últimos posts
Showing 0 comments
  • MARIA FRANCISCO
    Responder

    Olá,
    Este é informar o público em geral que a Sra MARIA FRANCISCO, um respeitável credor empréstimo privado, abriu uma oportunidade financeira para todos os que necessitam de qualquer ajuda financeira. Você precisa de um empréstimo urgente para limpar seus débitos ou precisa de um empréstimo de capital para melhorar o seu negócio? Você já foi rejeitado pelos bancos e outras entidades financeiras? Não procure mais, porque nós estamos aqui para todos os seus problemas financeiros. Damos empréstimos a taxa de juros de 2% a pessoas, empresas e sociedades em um termos e condições claras e compreensíveis que perfeitamente se adequar a sua condição.

    Envie-nos em: (heavensgateloans@gmail.com)

  • MARIA FRANCISCO
    Responder

    Olá,
    Este é informar o público em geral que a Sra MARIA FRANCISCO, um respeitável credor empréstimo privado, abriu uma oportunidade financeira para todos os que necessitam de qualquer ajuda financeira. Você precisa de um empréstimo urgente para limpar seus débitos ou precisa de um empréstimo de capital para melhorar o seu negócio? Você já foi rejeitado pelos bancos e outras entidades financeiras? Não procure mais, porque nós estamos aqui para todos os seus problemas financeiros. Damos empréstimos a taxa de juros de 2% a pessoas, empresas e sociedades em um termos e condições claras e compreensíveis que perfeitamente se adequar a sua condição.

    Envie-nos em: (heavensgateloans@gmail.com)

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar