Connection Information

To perform the requested action, WordPress needs to access your web server. Please enter your FTP credentials to proceed. If you do not remember your credentials, you should contact your web host.

Connection Type

As ?nuvens? computacionais

 em Diversos

 Todo mundo fala em computação nas nuvens (cloud computing) mas poucos tem noção extensão deste conceito. É verdade que a própria metáfora e a tradução equivocada para computação “nas” nuvens, ao invés de “em” nuvens, por si só, já contribuem para a confusão sobre o tema.

                Antes de qualquer coisa é importante ficar claro que a “nuvem” é de máquinas que encontram-se conectadas pela internet, e por aí nos fornecem uma variada gama de serviços. Portanto,  não tem nada de “abstrato ou virtual” no sentido de imaterialidade, como soia aparecer.

                A principal vantagem de seu uso é a economia associada com a acessibilidade, ou seja, a praticidade aliada à redução de custos. Atualmente ela nos permite um rol de produtos que vão do simples armazenamento de dados à possibilidade de uso remoto de processadores, passando por plataformas, suporte e tudo que envolve Tecnologia da Informação. Assim, a computação em nuvens é uma nova forma de organização da sociedade tecnológica que como num passe de mágica nos permite migrar dos nossos desktops, notebooks e aparelhos móveis para servidores corporativos em nuvem computacional.

                A economia está na otimização do uso, conhecida como utility computing cujo objetivo é fornecer suporte físico para armazenamento, processamento e banda com acesso facilitado; um verdadeiro "shopping" na web. Ela vem na onda da economia por escala potencializada pelo volume de usuários de determinado serviço. A teoria da "cauda longa", bem descrita no livro de mesmo nome de autoria de Chris Anderson, sintetiza bem a mudança no conceito do comércio de bens e serviços por volume, demanda e escala.         

                Sabe-se que ao longo da evolução tecnológica a busca é pelo aumento de velocidade da capacidade de processamento e de armazenamento, bem como pela diminuição do tamanho físico dos aparatos eletrônicos e digitais. As palavras de ordem tornaram-se: desempenho, mobilidade, disponibilidade e confidencialidade. Atualmente, a estas palavras foi adicionada ainda a palavra liberdade, fazendo com que a nuvem afete desde o usuário casual até o desenvolvedor de software, do gerente de tecnologia da informação ao fabricante do hardware.

                A nuvem está colocando em discussão os princípios básicos de segurança (confidencialidade, integridade, disponibilidade e autenticidade) e, ainda, os aspectos de autoria, irrefutabilidade e auditabilidade afirma a professora e perita Dra. Cinthia de O. Freitas. Que ainda questiona se todos estes princípios poderão ser mantidos pela nuvem? Que garantias terá o consumidor? Que obrigações terá o fornecedor? Portanto, muitas são as perguntas e dúvidas sobre a forma de contratação, o modelo de negócios, as vantagens e riscos advindos da nuvem computacional.

                Como questões em aberto ainda pode-se citar a localização física dos dados: como será tratado, pelo provedor da nuvem, o conjunto de dados e informações caso o usuário deixe de pagar pelo serviço? E em se tratando de dados hackeados, como garantir a identificação das partes durante o acesso e uso dos dados/informações?

                 Caso o leitor faça uso, por exemplo, do serviço de e-mail (Gmail) ou do editor de texto (Google docs), ambos da Google, ele já é um usuário de uma nuvem pública. Porém, poucos usuários ficam atentos aos termos de uso pincipalmente no que diz respeito aos itens de exclusão de garatias e limitação de responsabilidade.

                Os conceitos de "nuvem pública" (acessado por todos indiscriminadamente), nuvem privada, (usado por organizações em sistema fechado), e ainda em comunidades e híbridas, permitem diferentes modelos de implantação e refletem a demanda pelos processo de negócios em nuvens com foco nas questões acima citadas.

                Certamente as maiores barreiras da computação em nuvens estão no sigilo e armazenamento. Nossa cultura milenar do papel desenvolveu o senso de posse e guarda e tudo aquilo que não está sob nosso olhar, gaveta, armário ou cofre, não nos parece seguro. Sabemos todos, o quanto dessa cultura permanece nas pessoas, refletindo em empresas, organizações privadas e públicas.

                No tocante a documentos queremos crer que somente aqueles originalmente digitais terão seu espaço e ambiente amplamente difundidos nas nuvens. Mesmo assim raros são os casos de uso público, pois o ambiente empresarial, legal e político praticamente impõe o armazenamento e trânsito em servidores e redes privadas.

                A verdade é que a computação em “nuvens” veio para ficar e só o futuro nos dirá como essa inundação de documentos será administrada. Aos notários, que são obrigados a armazenar acervos centenários em papel, carece uma legislação objetiva sobre a preservação em papel e digital. Sobre os primeiros me pergunto: Até quando seremos obrigados a manter verdadeiros “museus”?

                

Últimos posts

Deixe um comentário

Comece a digitar e pressione Enter para buscar